Pílula anticoncepcional X pele: uma conversa com a Dra Cidinha Ikegiri e Sarah Spadacio

"Queixa super comum no consultório essa relação entre pílula contraceptiva, ciclo hormonal, ciclo menstrual e pele", explica a Dra Cidinha.

A década de 1960 foi marcada por muitas revoluções e uma dessas foi a venda da pílula anticoncepcional. Fruto da união de três mentes geniais: a feminista Margaret Sanger, o investimento da milionária Katherine McCormick e o desafio do cientista Gregory Pincus. Um produto que libertou as mulheres e que foi o pontapé para a revolução sexual.

Passados 60 anos, temos vários métodos contraceptivos no mercado e é o médico ginecologista junto de sua paciente que encontrará qual é o melhor para ela. Muitas mulheres não abrem mão da tradicional pílula por nada nesse mundo, enquanto que algumas delas se encontram com uma série de efeitos colaterais. Esse é o caso da Sarah Spadacio, influenciadora de Campo Grande, Mato Grosso do Sul, que participou da nossa turnê Sallve dessa semana.

Em sua conta no Instagram, @resenhasdasarah, ela contou que quando começou a usar a pílula viu muitos benefícios: "resolveu meu problema com escape, melhorou oleosidade, acne, perfeito!".

Mas essa lua de mel com a pílula não durou pra sempre: "Os problemas começaram a ficar mais acentuados final do ano de 2019. Comecei a ganhar muito peso, mesmo mantendo uma alimentação saudável e sem exageros, tive muita acne na região de bochecha, uma enxaqueca que não passava por nada, tinha muito cansaço, e dores nas pernas insuportáveis".

Sintomas na pele

Em conversa com a Sallve, Sarah contou que a mudança na pele foi muito drástica. "Minha pele estava com um surto de acne que nunca tinha fim, principalmente nessa região da bochecha, e eram espinhas internas e ENORMES, muito doloridas, e elas ficavam por mais de mês no meu rosto. Quando saía uma, aparecia outra, se não no mesmo lugar, muito próximo".

"Minha pele produzia muito sebo, me incomodava usar maquiagem, porque 'derretia' tudo. Aqui na minha cidade (Campo Grande), é muito quente e minha pele sempre foi muito oleosa. Eu me sentia muito mal de não conseguir tampar as espinhas, porque o óleo derretia tudo".

"O pior pra mim foram as manchas. Minha pele mancha muito, mesmo eu não mexendo na espinha, quando ela saía, já ficava com as marcas roxas no rosto, não tinha o que eu passava que melhorava, isso foi um alerta e combinado com outros sintomas".

Interrupção da pílula

Sarah conta que em uma consulta sugeriu à médica a suspensão do uso da pílula e a resposta da sua ginecologista foi a de que era válida fazer um teste, um período sem o contraceptivo oral. "No início piorou a situação da espinha e oleosidade. Mas ela disse que eu tinha que ter paciência, porque meu corpo estava há muito tempo com muitos hormônios. Há uns setes anos eu só trocava o método, mas sempre tomei, desde que meu filho nasceu".

"Em poucas semanas eu já perdi quase todo o peso que havia ganhado, dor de cabeça e nas pernas foram embora também, tudo lindo! Mas e a pele? A minha pele que já era oleosa, começou a produzir uma quantidade enorme de óleo, não tinha pó que resolvia e selava a make, comecei a ter muitas espinhas também, mas tive paciência pra esperar, porque eu sabia que ia passar e passou! Hoje minha pele está quase como era antes, ainda aparece uma espinha ou outra, mas nada comparado como era no começo da pausa nos hormônios".

A fase inicial sem a pílula "foi terrível, minha pele surtou ainda mais, muitas espinhas, que acarretaram em manchas. Depois de uns dois meses começou a voltar ao normal, tão normal que agora eu não sei se minha pele era oleosa mesmo, porque hoje em dia, ela está mais pra mista quando esta calor, e agora que esta mais friozinho está praticamente uma pele normal. Fico até sem maquiagem, o que era uma questão pra mim, agora estou muito satisfeita", conta Sarah, segura de si.

Conversa com a ginecologista

Para entendermos se a pílula é uma vilã ou uma aliada que pode fazer parte da nossa vida sem termos uma série de efeitos colaterais, conversamos com a ginecologista Dra Cidinha Ikegiri. E se prepare, porque ela nos dá uma lição maravilhosa. Pra começar: vamos entender a ação da pílula no ciclo menstrual.

O que fica claro na conversa com Cidinha é que é preciso é conversar muito com o teu ginecologista e encontrar a pílula ou método contraceptivo mais adequado para o teu corpo. Além de entender o quadro como um todo. A pele oleosa, com acne, com pelos na face e com queda de cabelo pode ser um indicativo de SOP - síndrome de ovários policísticos. Você vai entender bem nessa série de stories aqui da Dra Cidinha.

Instagram @cidinha

Pílula e pele: como conciliar?

"Queixa super comum no consultório essa relação entre pílula contraceptiva, ciclo hormonal, ciclo menstrual e pele", inicia a médica. "Porque a nossa pele responde aos hormônios que a gente produz. O que acontece, é que o hormônios são como 'botões de ligar as nossas células'. Uma vez que a gente produz um hormônio ele tem ação em diversos lugares. E os nossos hormônios ovarianos, que são os hormônios que são produzidos durante o ciclo menstrual, eles têm interferência na nossa pele, tanto o estrogênio quanto a testosterona que é um hormônio masculino mas que a gente também produz. E a testosterona tem diversas ações em diversos lugares do nosso corpo. Por exemplo, no músculo ela tem ação anabólica, então ela aumenta o volume do músculo; no sistema nervoso central ela está relacionada a um hormônio que está relacionado a libido, então a mulher pode ter uma melhora da libido. E na pele a testosterona tem a ação de deixar a pele mais oleosa e piorar os quadros de acne", explica Cidinha.

"Quando você toma pílula oral combinada, você pode ter uma melhora importante da pele porque a pílula estimula a produção de uma proteína no sangue chamada SHBG, que é produzida no fígado e é chamada proteína carreadora de hormônios sexuais. Ela se liga ao hormônio masculino, a testosterona e inativa a ação desse hormônio. Então mulheres que usam pílula, de uma maneira geral, têm uma diminuição bem importante dos níveis de testosterona. E por essa diminuição da testosterona, você tem uma melhora importante nos quadros de acne. Existem ainda alguns tipos de pílula, de algumas gerações, que melhoram ainda mais a pele, porque o outro hormônio que vem junto com o etinilestradiol tem uma ação anti androgênica, de diminuir os níveis de hormônio masculino ainda mais. Então as mulheres melhoram muito da acne. Inclusive pílula faz parte de alguns tratamentos de quadros de acne. Eu mesma sofri na minha adolescência horrores, nada resolvia. A única coisa que resolveu foi a pílula oral combinada, que era o Diane 35 porque contém a ciproterona que é um hormônio ótimo para quem tem problemas de pele".

"O que acontece quando você para de tomar pílula é que os níveis de testosterona voltam a aumentar e ai a pele piora. Porque a testosterona, na pele, tem a ação de piorar os quadros de acne por aumentar a oleosidade da pele. Dá um bug, principalmente nos primeiros meses. É um quadro bem comum".

Com ou sem pílula, o importante é manter as consultas em dia e conversar muito com o teu médico para encontrar a solução mais adequada pra você, combinado? Se você está em busca de um método contraceptivo, essa explicação da Dra Cidinha pode ser muito esclarecedora:

Nos conte: qual assunto você quer ver por aqui?

vamos conversar?

mais do blog

buscar

sua sacola

  • Loading