O que é não comedogênico? Entenda o que é a definição

Você com certeza já leu a palavrinha em um de seus cosméticos, mas você sabe, afinal, o que quer dizer comedogênico e o que ele indica? A gente te explica.

comedogênico

Você já deve ter esbarrado, em algum rótulo de alguma embalagem de cosméticos por aí, com o termo "não comedogênico". Ele, aliás, é como a "palavra de ordem" entre os que têm pele oleosa ou acneica. Mas afinal de contas, o que significa não comedogênico? É simples: um produto é considerado comedogênico quando ele pode obstruir os poros, facilitando o aparecimento de cravos e espinhas.

Óleo na pele oleosa: mas pode?

“O poro é o orifício onde desemboca um duto que traz para o exterior da pele a produção da glândula sebácea, ou seja, o sebo. As substâncias comedogênicas entopem esse orifício, fazendo com que ocorra um acúmulo de sebo dentro do duto, podendo ocasionar o surgimento de cravos e, se houver inflamação ou infecção, de espinhas”, explica o Dr. Alberto Cordeiro, dermatologista.

Para descobrir se um produto é não comedogênico, o teste de comedogenicidade

Mas como saber, de fato, se o produto que uma empresa está desenvolvendo é não comedogênico? É aí que entra o teste de comedogenicidade, desenvolvido no Artigo de Lucky, publicado em 1996: "O Instituto de Pesquisa Clínica recruta em torno de 35 participantes, para ter no mínimo 30 participando do estudo clínico. Neste estudo clínico, o dermatologista se espelha na máscara de segumentação de regiões da face, e por região - por exemplo na parte esquerda da testa, ou no queixo - eles fazem a contagem de alguns tipos do quadro da acne. Este quadro da acne é espresso por alguns sinais como comedões abertos, fechados, pápulas, pústulas e nódulos", explica Ana Paula Fonseca, do nosso time de pesquisa e desenvolvimento.

Acne: afinal de contas, quais são as causas das espinhas?

Abaixo, a ilustração da face segmentada para estudo e contagem, original do Artigo de Lucky:

 

"O dermatologista sabe diferenciar cada um destes tipos de lesões causadas na pele pela acne, e faz a contagem por área da face. Depois dessa contagem, ele registra no CRF - que é como se fosse um documento que reúne todas as informações do participante que participa desta pesquisa clínica. Fica tudo anotado ali. Ele chega no Instituto de Pesquisa, faz o teste, a avaliação médica, a caracterização da sua pele, e registra tudo isso. Todos esses registros da análise feita pelo dermatologista vão passar por uma robusta análise que vai nos mostrar se ouve um aumento ou diminuição estatisticamente significativos em comedões abertos e fechados, pápulas, pústulas e nódulos". 

O Artigo de Lucky, segundo Ana Paula Fonseca, é consagrado e referenciado mundialmente: "Este protocolo é usado por todas as gigantes dos cosméticos do mundo inteiro, assim como aqui na Sallve. Todos os nossos lançamentos passam por este protocolo, este padrão do Artigo de Lucky, e são não comedogênicos. Como você faz uma contagem com 30 pessoas, segmentando a face de todas elas, passando tudo isso por uma análise estatística, o resultado é muito confiável". 

Índice comedogênico

Há uma outra tabela, usada por pesquisadores, em que se classifica o índice comedogênico dos ingredientes isoladamente, de zero a cinco, sendo zero o que não causa entupimento de poros e cinco aquele que tem alta chance de causar a formação de comedões:

0 - não causa obstrução dos poros (não comedogênico)

1 - ligeiramente comedogênico

2 a 3 - moderadamente comedogênico

4 a 5 - severamente comedogênico

Há alguns sites, como o Skin Reference, que disponibilizam uma lista em que é possível verificar o índice de alguns óleos e outros ingredientes, mas atenção: o que pode parecer uma solução para tirar uma dúvida, na verdade, pode ser uma fonte para causar ainda mais confusão.

É que um ingrediente pode constar na lista como comedogênico, mas em baixa concentração não significa ele realmente o seja. O importante é sempre conversar com seu dermatologista para entender melhor o potencial de entupimento de poros de um produto que você está louco para usar.

Só os produtos não comedogênicos devem ser usados?

Na verdade não: tudo varia de acordo com cada pele. "Se a pessoa tiver uma pele mais oleosa, o indicado é ela evitar o uso de produtos com alto índice comedogênico. Já as peles secas permitem que o índice comedogênico seja um pouco maior”, aponta Dr. Alberto.

Por outro lado, é importante ter esse tipo de informação para todos os tipos de pele, alerta o dermatologista: "Até mesmo uma pessoa que tem uma pele seca não pode ficar utilizando um produto com alto índice comedogênico com frequência, caso contrário ela pode desenvolver a formação de acnes e cravos também”.

Consultar um (a) dermatologista é sempre a opção mais correta e saudável para a sua pele, combinado? ;) 

Artigo usado para este texto

Comedogenicity and irritancy of ingredients in skin care products 

vamos conversar?

mais do blog

buscar

sua sacola

  • Loading