Verdades e mitos sobre Protetor solar

mitos sobre protetor solar

É bem verdade que todo o cuidado com a nossa pele é cercado de mitos: por exemplo, quanto mais lavarmos o rosto ao longo do dia mais controlamos a oleosidade da pele? Mito. Pele oleosa não precisa de hidratante? Mito. Poros dilatados são sinônimo de desidratação? Mito também. O mesmo acontece quando o assunto é a proteção da nossa pele: são muitos os mitos sobre protetor solar - e também muitas verdades que acabam sendo descartadas como mito - o que pode prejudicar essa etapa tão importante da sua rotina de skincare. 

Mas e aí, o que é verdade e o que é mito quando falamos de protetor solar? Segue o fio!

Tem que usar protetor solar no inverno

Verdade! Mais ainda: o protetor solar deve ser usado o ano inteiro, não importa o tempo ou o clima - e tem tudo a ver com a radiação UVA.

É que enquanto a radiação UVB está aparece em maior intensidade entre 10h e 16h, a radiação UVA está presente nos raios solares o dia inteiro, não importa se está sol ou nublado, quente ou frio: "Ela ultrapassa vidros de janelas e nuvens, e consegue estar presente mesmo com o clima frio e/ou nublado", explica Dra. Monalisa, dermatologista consultora da Sallve. Por isso, lembre-se: protetor solar é todo dia, o ano todo, viu?

Não precisa usar protetor solar dentro de casa

Mito! Como explicou acima Dra. Monalisa Nunes, os vidros das janelas das nossas casas não é capaz de filtras as radiações UVA, que podem manchar sua pele ou ainda causar o envelhecimento precoce, além de estar ligada ao câncer de pele.

Outro motivo para não pular o protetor solar dentro de casa é a luz azul emitida por computadores, celulares, TVs, tablets e outras telas que você possa ter em casa. A luz azul penetra até os tecidos subcutâneos e também provoca a oxidação dos lipídios - e é justamente esse processo que acelera a produção de radicais livres, que danificam células e enzimas da pele, destruindo as fibras de colágeno e a redução de sua produção, além de também poder causar manchas.

Pele negra não precisa de protetor solar

Mito! Apesar da alta quantidade de melanina (composto responsável pela pigmentação da pele), a pele negra precisa sim de proteção solar diária. “A pele negra tem maior quantidade de melanina, o que confere uma fotoproteção natural de 13.4, manchando com mais facilidade”, já nos explicou a dermatologista Dra. Katleen Conceição. Ainda segundo a dermatologista, a melanina tende a escurecer as regiões da pele que venham a sofrer qualquer agressão, como acne e queimaduras, por exemplo.

+ Mito ou verdade: a pele negra precisa de menos cuidados?

Ao aplicar o protetor solar, o ideal é esperar um tempinho antes de se expor ao sol

Verdade! "O protetor solar tem algumas substâncias que precisam de tempo para serem absorvidas pela pele para então agirem, então é bom passar e esperar secar - tanto do ponto de vista da adesão, para ele não sair tão rápido da pele, quanto para ele ter essa penetração e agir melhor", explica Dra. Monalisa Nunes.

Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, a primeira aplicação do protetor solar deve ser feita 15 minutos antes da exposição, e antes também de você se vestir.

Se eu já uso maquiagem com FPS não preciso usar protetor solar

Depende, viu? Aqui, é importante atentar-se se a maquiagem em questão também tem proteção aos raios UVA, o que não é tão comum, por isso o protetor solar segue fundamental mesmo quando você for usar maquiagem: "A maioria só tem FPS. Por isso é sempre bom pesquisar no rótulo se há proteção aos raios UVA e UVB".

Usar protetor solar ajuda a prevenir o envelhecimento precoce da pele

Verdade! A penetração dos raios solares na pele, especialmente os raios UVA (apelidado pela comunidade dermatológica de "aging", ou envelhecedor, em português) provoca a oxidação dos lipídios, conhecido como lipoperoxidação. Essa oxidação, por sua vez, libera radicais livres, que danificam as células e enzimas da nossa pele, destruindo as fibras de colágeno e a redução de sua produção".

No Protetor Solar da Sallve, a vitamina E com sua ação antioxidante trabalha inibindo essa ação de lipoperoxidação, agindo também como um inibidor na produção de colagênase, que é uma enzima que destrói o colágeno - que por sua vez é responsável por dar firmeza para a nossa pele, junto com a elastina.

A carnosina presente em nossa fórmula, por sua vez, é responsável por proteger contra danos causados por radiações como a luz visível e a luz azul especificamente, além dos raios infravermelhos.

A carnosina tem uma ação antioxidante porque combate o radical livre hidroxil, que é um grande “destruidor” de proteínas. Com isso, ela consegue proteger contra os danos causados por essas diferentes radiações, regulando ainda a síntese de MMPs (enzimas que degradam a matriz extracelular, degradando colágeno) e de melanina também.

“É uma proteção preventiva dos danos que essas radiações podem causar. Por isso escolhemos a carnosina, porque ela trata dos danos da luz visível, azul e do infravermelho, é um poderoso antioxidante”, esclarece ainda Ana Sofia Barbosa.

Basta aplicar protetor solar uma vez ao dia

Mito, viu? Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, o protetor solar deve ser reaplicado a cada duas horas. Suou muito ou mergulhou? Pode diminuir a janela de tempo. "A radiação solar incide no protetor solar e vai degradando ele no lugar da nossa pele", explica Dra. Monalisa Nunes, sobre a importância da reaplicação. "Além disso, vamos tirando o protetor solar ao longo do dia. Seja passando a mão no rosto, transpirando, ou até mesmo o vento e o Sol... Tudo isso vai tirando o protetor solar da sua pele".

Protetor solar não deixa o corpo absorver vitamina D

A classe médica até se divide quando o assunto é proteção solar e vitamina D, mas novos indícios científicos apontam que o protetor solar não atrapalha tanto quanto se imaginava: "É um tema polêmico. Alguns estudos indicam que usar muito protetor solar, com FPS alto pode impedir que a radiação ultravioleta B entre em contato com a pele. Essa radiação ultravioleta B é que inicia a conversão da pré-vitamina D na vitamina D ativa, que depois vai ser absorvida e vai ter aquela função importante, que já conhecemos", explica Lucas Portilho, farmacêutico e pesquisador em Cosmetologia, especialista em fotoproteção.

"Existem estudos que dizem que isso acontece, então não posso dizer que é um mito, porque de fato há poucas evidências científicas relacionadas a isso. Uma das últimas revisões científicas, publicada em abril de 2019, conclui que existem poucas evidências relacionando o uso do protetor com a diminuição da vitamina D. Não existe um consenso na classe médica sobre o que deve ser feito. Cada especialista faz o que a sua categoria recomenda", conclui.

A dermatologista Dra. Paola Pomerantzeff, por sua vez, não recomenda tomar sol sem proteção em hipótese alguma: "A absorção da vitamina D depende de doses muito baixas de UVB em pequenas áreas do corpo. Ou seja, não é necessário deixar de passar o protetor solar para absorver os raios solares para produzir vitamina D. O protetor solar deve ser aplicado diariamente", afirma.

Já a Dra. Jade Cury Martins, coordenadora do Departamento de Oncologia Cutânea da SBD, também alerta que o uso de proteção solar é importante: "Em relação a uso de protetor solar e a síntese de vitamina D, o que a gente tem de estudos em relação a isso é foi publicada uma revisão no British Journal of Dermatology, que foi um painel de especialistas que reviu tudo o que tinha na literatura sobre o uso de proteção solar e e vitamina D. E o que concluíram? Que os estudos de vida real, com a quantidade de filtro solar que a gente aplica, a regularidade que a gente aplica, em um contexto de vida real, não eram suficientes para diminuir a síntese de vitamina D".

vamos conversar?

mais do blog

buscar

sua sacola

  • Loading