Guia da acne: o que é, como prevenir e quando procurar um médico

A condição que tanto incomoda as pessoas ocorre quando os poros são obstruídos por óleo e células mortas da pele.

Em algum momento da vida você já deve ter sofrido com pelo menos uma espinha no rosto, principalmente, se era aquele dia superimportante, com um compromisso sério, especial ou inadiável. Até parece provocação divina, mas pode ser apenas o seu corpo te dando um recadinho sobre ansiedade. Afinal, estresse e acne tem tudo a ver, como você vai descobrir logo mais - ops, spoiler alert! Porém, a verdade é que muita gente sofre com uma versão muito mais severa e que mexe diretamente com a autoestima de jovens e adultos.

A acne é uma condição que ocorre quando os poros ficam entupidos por células mortas, resultando em um acúmulo de sebo, uma substância oleosa produzida pelas glândulas sebáceas. As espinhas e os cravos costumam surgir com mais frequência no rosto, pescoço, peito, costas e ombros.

Crédito: Unsplash/Autumn Goodman

Ela pode aparecer em qualquer idade, mas é comum na adolescência. E por quê? É nessa época da vida que os hormônios andrógenos e estrógenos começam a ser produzidos.  O primeiro é o responsável pelo início do funcionamento das glândulas sebáceas, mais ativas na face, peito, costas e couro cabeludo. Assim, pessoas com predisposição genética, acabam sofrendo com aparecimento de cravos e espinhas por conta dessa mudança na secreção sebácea.

Então, acne é genética? Sim, a tendência a ter essa condição é genética e não há evidências científicas que podem atingir mais um grupo étnico específico. Porém, é importante ressaltar que alguns casos podem ser desencadeados por alteração hormonal e até o uso de certos tipos de medicamentos.

Tipos de acne

Em geral, a acne se manifesta com a presença de comedões (cravos), causados pelo entupimento da saída dos folículos com sebo; pápulas, pequenas lesões sólidas, elevadas, endurecidas e avermelhadas; pústulas (espinhas), as pápulas com pus; e nódulos e cistos, lesões bem maiores que as espinhas, inflamadas e que se expandem para camadas mais profundas da pele. Podem ser dolorosas e deixar marcas.

Segundo o Ministério da Saúde, a condição pode ser dividida em cinco tipos, de acordo com a gravidade das lesões apresentas na pele. São eles:

Acne Grau I: apenas cravos, sem lesões inflamatórias (espinhas).

Acne Grau II: cravos e espinhas pequenas, com pequenas lesões inflamadas e pontos amarelos de pus (pústulas).

Acne Grau III: cravos, espinhas pequenas e lesões maiores, mais profundas, dolorosas, avermelhadas e bem inflamadas (cistos).

Acne Grau IV: cravos, espinhas pequenas e grandes lesões císticas, múltiplos abscessos interconectados e cicatrizes irregulares resultando em deformidade da área afetada.

Crédito: Pexels/Murilo Folgosi

Nem precisamos te dizer que a acne é uma condição de pele que pode afetar diretamente a autoestima das pessoas, principalmente, dos adolescentes. O fator psicológico é muito importante e deve ser olhado com carinho. Você sofre com isso? Procure um dermatologista e saiba qual o melhor tratamento para o seu tipo, combinado?

E a acne adulta?

Aos 30, 40 e até 50 anos! Sim, tem muita gente por aí que segue enfrentando problemas com a acne após a adolescência, principalmente, entre as mulheres. Um estudo realizado na França com 4.000 mulheres adultas apontou que mais de 40% apresentavam acne.

As causas são variadas, como hereditariedade, estresse, exposição à luz ultravioleta, obesidade, níveis altos de colesterol, presença da bactéria Propioniumbacterium Acnes (que pode atacar adolescentes também) e, o principal entre as mulheres, alterações hormonais.

Em casos mais raros, a acne ainda pode ser um sintoma de uma condição ou doença, como a famosa Síndrome do Ovário Policístico ou até uma síndrome metabólica. O importante é investigar com cuidado o que anda causando o problema na sua pele. Por isso, corra para o seu/sua dermato!

Crédito: Pixabay

Algumas pessoas costumam atribuir o uso de cosméticos, como maquiagem, filtro solares e alguns hidratantes, como um fato de piora para a acne adulta. Porém, um estudo da Universidade Federal de São Paulo, disse que o tema é controverso, sim, mas que várias pesquisas apontam que a retirada desses produtos da rotina dos pacientes, não contribuiu para a melhora do quadro.

O estudo aponta ainda que sempre que bem indicado e de boa qualidade, os cosméticos ajudam a melhorar o resultado do tratamento da acne.

Estresse piora a acne?

A resposta é sim! O estresse é um fator que pode agravar. Isso acontece porque durante um momento de ansiedade ou estresse, há um aumento na liberação dos hormônios, adrenalina, insulina e cortisol, fazendo com que a produção das glândulas sebáceas aumente, piorando e contribuindo para o aparecimento de pústulas.

Mapa facial

Um outro ponto sobre a acne é ficar atento onde essas lesões surgem na pele, pois podem indicar algumas de suas causas.

A Zona T (testa, nariz e queixo) contém a maior concentração de glândulas sebáceas, portanto, para quem sofre com a acne, é comum que ela apareça nessa região.

Porém, é importante ressaltar que quando as lesões aparecem na testa pode ser também o que os dermatologistas chamam de acne cosmética, causada por produtos que usamos no cabelo, por exemplo. Outro indício pode ser o uso de bonés e até de franja, já que a região fica abafada e aumenta a produção de sebo.

As espinhas na mandíbula, queixo e pescoço podem estar ligadas a alterações hormonais. Enquanto as lesões nas bochechas, em geral, podem aparecer por conta do uso de cosméticos inadequados e comedogênicos.

Crédito: Pixabay

Tratamentos

Existem muitos tratamentos para a condição, de acordo com o grau e tipo. Não existe regra para procurar um médico, se é algo que te incomoda, o melhor é buscar ajuda antes que o quadro se agrave. Quanto mais rápido o tratamento se inicia, melhores são os resultados obtidos, inclusive por causa das cicatrizes.

Um estudo canadense com cerca de 500 pacientes com acne, publicado no British Journal of Dermatology, apontou que mesmo a acne leve pode evocar sentimentos de baixa autoestima, depressão e pensamentos suicidas. Como aparece na adolescência, coincide com um período cheio de incertezas sobre a autoimagem, contribuindo para problemas psicológicos. Na idade adulta, o fato não deve ser ignorado também.

Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, na sua forma mais leve, o tratamento pode ser apenas local, com produtos encontrados em farmácias e lojas de cosméticos especializados. Em geral com ingredientes como ácido salicílico, peróxido de benzoíla, retinóides, antibióticos (clindamicina e eritromicina) e ácido azeláico.

Créditos: Pexels/Heitor Verdi

Quando o quadro evolui mal, há também o uso de antibióticos específicos por via oral, com duração estipulada por um médico. Para as mulheres, tratamentos hormonais com anticoncepcionais podem ser usados em determinados casos. Casos muito graves também são tratados com medicamentos, como a Isotretinoína, o famoso Roacutan.

Extração de cravos, drenagem de abscessos, peelings, aplicações de laser, esfoliações e "limpezas de pele" podem ajudar o quadro, mas devem ser feitas por dermatologistas.

Dica amiga: quem tem acne não deve, em nenhuma hipótese, cutucar ou espremer as lesões, pois pode levar à infecção, inflamação e cicatrizes.

Mitos e verdades

Vamos fazer um jogo rápido de mitos e verdades para ninguém mais ficar com dúvidas sobre algumas coisas que falam por aí.

Crédito: Giphy

  • É contagiosa? Não!
  • Tem cura? Não, mas tem controle com excelentes resultados.
  • Comer chocolate causa acne? Não é bem assim. Alimentos gordurosos, com altos índices de açúcar, podem estimular a produção de sebo, aumentando a oleosidade da pele. Comer com moderação e dar preferência aos amargos, pode ser uma boa.
  • Menstruação favorece o aparecimento da acne? Sim, pura influência dos hormônios, que fazem as glândulas sebáceas trabalharem mais, aumentando a oleosidade da pele.
  • Sol é bom para as espinhas? Mentira pesada! O excesso de sol pode causar um aumento na produção de sebo, além de ressecar a pele e causar um efeito rebote. Portanto, cuidado!

Ingredientes

Já fizemos um texto aqui na Sallve sobre ingredientes que podem ajudar e muito quem tem pele acneica.

Vale lembrar… consultar um (a) dermatologista é sempre a opção mais correta e saudável para cuidar da melhor forma possível da sua pele, combinado? ;)

 Alguns textos e referências consultados para este texto

Crédito: Giphy

Acne - Association Canadienne de Dermatologie

Acne - Sociedade Brasileira de Dermatologia

Tratamento da acne - Sociedade Brasileira de Dermatologia

Acne: Diagnosis and Treatment - AAD

Stress and Acne

Diretrizes modernas no tratamento da acne vulgar

Acne: O que é? - SBCD

Acne - Ministério da Saúde

Adult acne - AAD

Adult Acne Versus Adolescent Acne

Adult-onset acne: prevalence, impact, and management challenges

Acne da mulher adulta: aspectos epidemiológicos, diagnósticos e terapêuticos

 

vamos conversar?