O que estou aprendendo com a geração Z

Sabia que dá para aprender muito com a geração Z sobre beleza? Especialmente sobre como a gente prioriza o cuidado da nossa pele!

Katya Austin/ Unsplash

Hoje de manhã estava lendo uma matéria no Business of Fashion que falava sobre cinco coisas que a nova geração pode nos ensinar sobre beleza. Entre os itens, a pergunta: "estaria a geração Z matando a maquiagem?"

A autora da matéria falava sobre uma conversa que teve com a filha da sua amiga, uma adolescente de 14 anos, que dizia que tanto ela como suas amigas são muito mais ligadas em cuidar da pele do que empilhar maquiagem no rosto, e que isso já é uma reação imediata à geração Y (millennials, os próprios), que estourou no Instagram - aquela onda dos tutoriais carregadíssimos e imagens hipercalculadas, com direção de arte que fugia do natural, coisa e tal. Elas quase não usam base e no máximo corrigem a pele com um corretivo.

Daí veio o termo que você já deve ter ouvido por aí: as tais das VSCO girls e como o novo fenômeno vem sim ditando tendência de beleza e servindo como porta-voz dos ideais de beleza dessa tal geração Z. 

Essas minas, que esteticamente são conhecidas por gírias, edição colorida das fotos, tênis Vans, camisetões e scrunchies, têm uma abordagem de beleza bem simples: a pele é sempre levinha e bem cuidada e a boca dispensa batons em prol de gloss ou lipbalm.

Diz que seus efeitos são sentidos diretamente lá na Amazon, onde elas adoram comprar: lipbalms e bruminhas faciais andam no topo do ranking de produtos mais vendidos. Elas também são muito ligadas em marcas sustentáveis e em agredir menos o meio-ambiente.

Daí fiquei pensando que enquanto na música eu me afasto cada vez mais do que pensa essa nova geração que parece ter alergia a guitarras, quando penso em beleza, sinto que há boas ideias para incorporar no meu dia a dia com uma nova geração que - pasme! - já está aí, desbancando o que a anterior firmou.

Não estou pronta (nem tenho disposição) para abolir a maquiagem da minha vida, mas essa ideia de uma pele fresquinha e de prezarmos por cuidar da pele ao invés de só escondê-la muito me agrada. Nem precisa ser tão literal assim, também. É só uma vibe, sabe? 

Não se engane: as VSCO girls são calculadas, padronizadas e tudo bem pensado para posar no Instagram do mesmo jeito. Mas falando de forma mais ampla e além das redes sociais, a conversa com a geração Z, que gosta de falar sobre reciclar embalagens e ingredientes que não agridem a saúde nem o planeta, é primariamente saudável e não precisa ser interpretada de forma opressiva. E, ao contrário do que aconteceu muito com a geração anterior, parece impulsionar a conversa para frente. Só falta reaclimatá-las com o som de um bom rock n'roll.

vamos conversar?