Quer aprender a comprar perfume online?

Na penúltima edição do Domingão do Cremão da Jana Rosa (@bonitadepele) e da nossa Ruiva, a Julia gerou uma comoção geral ao revelar que compra todos os seus perfumes online. Mas como assim? Sem experimentar? Sem sentir o cheiro? Isso mesmo: a Julia contou que aprendeu não só a desmembrar e entender as fragrâncias e matérias primas que mais gosta como a ler resenhas de perfumes online. Mas tá, e aí: como é que faz isso mesmo, hein?

Para explicar, chamamos o especialista em perfumes Dênis Pagani, do blog 1nariz.com.br. Referência absoluta no assunto, Dênis também dá cursos para quem quer mergulhar fundo na perfumaria por hobby, paixão ou porque pretende trabalhar neste campo.

Aqui, o Dênis vai te ensinar dois passos essenciais para ler perfumes sem propriamente experimentá-los: prazer, pirâmide olfativa e famílias olfativas!

Dênis Pagani (Foto: João Bertholini)

A pirâmide olfativa

Se você tem o mínimo de interesse em perfume, já ouviu falar na pirâmide olfativa, que classifica notas de cabeça, coração e fundo. Mas como ela funciona? "O que está em jogo nessa classificação é o tempo de evaporação de cada matéria prima. É bem literal, bem físico", explica Dênis.

"Nas notas de cabeça a gente tem as matérias primas que duram até uns 30 minutos na pele - são principalmente os cítricos e as ervas aromáticas, como tomilho, sálvia, alecrim, hortelã, lavanda, eucalipto. Nas notas de corpo, a gente tem as matérias primas que duram entre 30 minutos e cinco horas. Ali estão as especiarias, flores, frutas. São essas notas de coração que dão o caráter principal do perfume. É com elas que você vai se relacionar mais tempo quando estiver usando. São elas que te fazem mais companhia", enumera Dênis, encerrando a pirâmide com as notas de fundo (ou de base), que duram de cinco a seis horas: "Estão ali as matérias primas mais pesadas - as madeiras, as resinas e as notas que na tradição são de origem animal (principalmente musk, ou almíscar). São essas notas de fundo que dão tanto a profundidade do perfume, como uma sensação 3D nele, quanto a permanência dele na pele - que é essa questão de performance, super importante para todo mundo. A gente tem visto nas últimas décadas as pessoas querendo perfumes cada vez mais fortes e com mais permanência."

Na prática, Dênis explica como funciona: "As notas de cabeça são as que te dão o primeiro impacto, as que aparecem ali na hora da borrifada quando você está na loja ou em casa. É legal falar até que essa pirâmide olfativa é algo mais didático. Essa simplificação passa a fazer mais sentido por que ao longo do tempo as notas de topo evaporam, e você fica com o corpo e o fundo mais presente. Depois de um tempo as de corpo evaporam e você tem mais o fundo em evidência. Esse é um jeito mais fácil de pensar", desenha o expert.

Parêntese: e o tal do fixador?

É fato consumado que você já ouviu falar em fixador quando o assunto é perfume: "Nossa, esse perfume tem um fixador incrível, dura o dia inteiro!" Ou "Esse perfume não tem fixador, sai em cinco minutos!"

Pois bem: a noção do fixador é errada. Em primeiro lugar, Dênis explica que não existe um produto fixador, que não tem cheiro de nada mas entra na fórmula para estender o cheiro do perfume. "O que você tem é uma composição que favorece a permanência do perfume na pele, a sua performance." Mas então, o que é um perfume que dura mais tempo na pele? "É um perfume justamente carregado dessas notas de fundo ou de base", ensina Dênis.

Famílias olfativas

Tá, você já entendeu como funcionam as notas dos perfumes, qual dura menos tempo, como elas vão evaporando e tal. Com isso tão claro depois da explicação do Dênis, a gente passa para o passo seguinte: as famílias olfativas. Vamos a elas:

Cítricos

"Esta é uma família que está mais preocupada com a sensação de bem-estar, de limpeza. São perfumes otimistas, alegres, para fora, frescos", descreve Dênis, colocando em prática aqui a regrinha da pirâmide olfativa: "Frequentemente são perfumes com fixação mais leve justamente por serem mais carregados de notas de topo."

Perfumes cítricos são aqueles que você borrifa com bastante abundância: "O foco dele é esse momento de aplicação. São perfumes de baixa concentração, para serem usados em volume mesmo ou reaplicados ao longo do dia. Ou você pode passar ele de manhã e outro por cima à noite, porque ele já evaporou." E olha lá como a gente já coloca em prática o ensinamento do fixador: "Não faz sentido achar que um perfume cítrico vai durar o dia todo, porque isso não vai acontecer."

Aromáticos ou fugère

Esta é a família masculina por excelência. "Não gosto do nome porque fugère tem que explicar o que é, e aromático pode soar muito abrangente", comenta Dênis. Ele ensina, porém, que o que pode te ajudar a entender esse perfil é interpretar esse "aromático" como as principais matérias primas dessa família: são elas as ervas que a gente usa na cozinha: tomilho, alecrim, sálvia, hortelã e a lavanda - esta destacada como cabeça de chave dos aromáticos. "São perfumes que a gente liga com a sensação de virilidade. São em geral meio pontudos, afiados, gelados, e abrem caminho. Eles chegam nas pessoas que estão por perto, costumam ser bastante potentes", descreve Dênis.

Orientais

"São perfumes quentes e super envolventes que nasceram nos anos 20 na Europa, na cabeça dos perfumistas que estavam se inspirando no Oriente - quando o Oriente, com suas lendas e suas histórias, inspirava muito as artes em geral na Europa", explica Dênis. "Os perfumistas vão buscar isso através dos produtos que vêm do Oriente - especiarias como resinas vegetais, baunilha e labdano (esses dois últimos juntos dão um acorde de âmbar, da família dos ambarados). É uma família quente, envolvente. A gente liga essas sensações à sensualidade." Aqui, aponta Dênis, se você se orienta pela temperatura para escolher um perfume, é onde você tem boas chances de encontrar sua fragrância de inverno.

Perfume Gourmant

Os perfumes gourmant são uma subfamília dos orientais: "São orientais contemporâneos. Eles nascem ali junto com o Angel, de Thierry Mugler, que inventou essa categoria de perfumes muito doces, notas gustativas", explica Dênis. Pense em algodão doce, praliné, chocolate, frutas em calda e geleia. "São fragrâncias gustativas, você quase sente isso na boca." Daí o nome gourmant, que quer dizer glutão ou guloso em francês.

Florais

A família dos florais é hit absoluto: Dênis conta que é a maior que temos em número de perfumes no mercado. "É uma família ligada amplamente à feminilidade. Estão aí as rosas, os jasmins todos... Eles podem ser tanto de perfumes mais intensos e voluptuosos ou florais mais límpidos, vitrificados."

Amadeirados

Dênis afirma que a gente geralmente associa os perfumes amadeirados com a ideia de impacto, de distinção. É aquele perfume que chega chegando, que já anuncia que é diferente de todos os outros. "É uma família primariamente de masculinos. As principais matérias primas são vetiver, patchouli, cedro, sândalo", diz Dênis, fazendo um parêntese: "Muitos perfumes femininos têm ido pelo caminho do cedro e do sândalo."

Chipres

Isso mesmo: o nome dessa família vem da ilha do mar Mediterrâneo, ali perto da Turquia e da Grécia, "fazendo um certo elo entre Ocidente e Oriente", diz Dênis.

"O Chipre é um país que tem uma tradição de perfumaria muito antiga. Seus perfumistas iam construir tempos no inverno grego e depois eram chamados para perfumá-los em suas inaugurações, acendendo incensos e outras funções que evocassem os deuses", explica Dênis. "A ilha tem uma história muito antiga com perfume."

"O que quero dizer com isso?", pergunta Dênis. "Flor a gente sabe o que é, madeira, cítrico, isso a gente tem referência na vida real. Aqui, Chipre é uma ideia de perfumaria. A gente tem perfumistas europeus olhando para essa tradição e se inspirando nisso. São perfumes muito distintos, mas a base dos chipres é um acorde de musgos de carvalho, bergamota, patchouli, labdano e rosa ou jasmin. Esse é o acorde básico dos chipres."

Esses acordes, porém, servem para entendermos apenas o ponto de partida do perfumista, que vai arrendar esse acorde de mil outras maneiras: "A gente pode considerar que um perfume tem entre 30 e 100 matérias primas, então isso é o início da coisa. Essa é uma família que a gente liga com sofisticação, são perfumes que tendem a ser bastante complexos, que você vai tirando as camadinhas dele, todas muito chiques, muito elegantes."

A ligação entre aromáticos e chipres

Você já deve ter pescado que chipres e aromáticos têm aí algo em comum, né? Têm mesmo: "Eles não querem representar uma folha ou uma madeira, não estão ligados à matéria prima. Fugère em francês é samambaia, que em princípio não tem cheiro, mas a gente sabe onde a samambaia mora - num lugar úmido, com musgo, embaixo das copas das árvores. Com isso, você já tem ideia do clima, do ambiente. Os perfumistas vão se inspirar nesse ambiente e retratá-lo cada um à sua maneira", diz Dênis. " Mas claro que você tem um acorde de base - lavanda com marina e musgo de carvalho, que é o ponto de partida clássico dos aromáticos, para o perfumista criar em cima."

Tudo isso explicado, Dênis aproveita para fazer um parêntese: "Todas as matérias primas dos perfumes estão em todas as famílias". Cada exemplo citado por ele aqui são as cabeças de chave de cada família, "mas que não são exclusivas", avisa.

Comprar perfume online?

Então, dá para comprar perfume online, sem experimentar? Assim como a Julia já avisou, Dênis também afirma: dá sim. "Acho que ajuda primeiro estudar um pouquinho, se familiarizar com esses conceitos de família, pirâmide, matérias primas."

"Um bom caminho é ler sobre o assunto, pesquisar os perfumes que você ja tem, que já usou e sabe que gosta, ver quais são suas matérias primas e família. Se você souber dizer qual a família olfativa que você mais gosta, em que situações você usa cada família olfativa ou suas 3 matérias primas favoritas você já está super, você já está dando aula!", brinca Dênis. "Você já está acima da média do universo."

Ler resenhas

E como faz para entender as resenhas de perfumes que correm por aí online? Segundo Dênis, tudo é pesquisa. "Cada um tem seu estilo de escrever, de falar do que gosta ou não gosta. Procure um pouquinho até você encontrar alguém cuja linguagem você gosta. Às vezes você encontra alguém que gosta, começa a sacar o gosto da pessoa, vê que vai começar a bater mais ou menos com o seu, e você vai vai entender o que ele ta dizendo, vai saber se relacionar com aquilo." É como crítico de cinema, sabe? "Se você assiste vários filmes e depois lê as resenhas, vai notar que sempre vai ter um crítico cuja nota vai bater com a sua, com uma cabeça que bate com a sua."

Dênis, porém, admite que ainda há muito que a indústria de perfumes poderia fazer para ampliar essa experiência de compra de perfumes online, como venda de amostras ou conjuntos delas, para que as pessoas tenham uma experiência maior. "As pessoas já compram perfume online sendo difícil, imagina se fosse fácil?", ele ri. "Imagina se as pessoas tivessem informação, recurso e de fato uma chance de experimentar que não fosse exatamente a loja."

"Tem tanto espaço para varejistas melhorarem essa experiência de venda, dando mais recurso e informação pro consumidor, descrevendo esse perfume de forma que as pessoas compreendam, saindo um pouco do linguajar do marketing. Eles gostam de falar como é a personalidade de quem usa, as atitudes dessa pessoa, mas isso é uma coisa. Me descreve o perfume, me ajuda a entender?", analisa.

Para quem quer mergulhar ainda mais no assunto, Dênis Pagani está adaptando seus cursos de perfumaria para o formato online. Ele também está escrevendo um livro explicando o mercado de perfumes através das famílias olfativas e principais matérias primas, para que as pessoas compreendam seus gostos e se orientem com independência no mercado. Para ficar por dentro das novidades, é só se inscrever na newsletter do 1nariz.com.br.

E aí: pronto para começar sua busca pelo seu próximo perfume favorito?

vamos conversar?

mais do blog

buscar

sua sacola

  • Loading