#jornadadapele: Boombeat e o cuidado com a pele como início de uma nova fase

Luara Boombeat viu sua pele mudar na pandemia e conta como a Sallve a ajudou a driblar espinhas e manchas.

Se tem uma coisa que a gente aprendeu nessa pandemia é que a nossa pele e o nosso estado mental estão intimamente ligados. Estresse, insônia, depressão... Nossa pele sente tudo isso. E, talvez, tantas vezes, é justamente um sintoma na nossa pele que faz com que a gente perceba que algo está errado bem além de esquecer de passar o hidratante ou protetor solar. Quantas vezes não é uma crise de acne, que faz estourar um monte de espinhas no nosso rosto, que denuncia que precisamos parar e rever alguns processos? Foi assim com a Luara Boombeat.

+ #vivasuapele: Kara Catharina e a revolução da transição

"Eu nunca fui muito de cuidar da pele, nunca me preocupei com isso", ela conta, citando uma pele bem oleosa como a única coisa que lhe chamava atenção. "Eu tinha muitos cravos mas raramente espinhas. Era uma ou outra, nunca nada muito forte. Mas sempre que surgia uma espinha que fosse, eu ficava muito incomodada, porque acabava ficando com manchas escuras que demoravam muito para sair. É que minha pele pigmenta muito qualquer cicatriz por conta da melanina. Mas tá bem, uma manchinha ou outra não me incomodava, eu seguia o baile, e continuava sem cuidar da minha pele".

Metamorfose em plena pandemia

Isso até chegar a pandemia. A pandemia, para Luara, trouxe um processo importantíssimo: o da sua transição de gênero: "Eu tenho um espelho enorme na minha casa, e todo dia ficava me olhando nele, sem ter para onde sair, ou amigos para ver, shows para fazer, então chegou num ponto em que eu não tinha mais para onde fugir. Minha imagem era contestada constantemente naquele espelho".

O processo de se aceitar - o primeiro passo dessa jornada - foi impulsionado também pela sua vontade de começar a se maquiar. "A maquiagem foi fundamental pra esse processo de aceitação, de ver meu rosto de uma forma mais feminina. Eu já sabia há alguns anos que sou travesti, e sempre escondia isso de mim por varias questões. Por conviver com muitas travestis, conheço as dificuldades dessa vida. Tinha também a questão da minha carreira, de como me lancei como gay na música e como seria o impacto de comunicar minha transição - não só para o público como para o meu namorado, com quem estou há mais de dez anos. Então ficava tudo ali guardado, achava melhor não vasculhar muito".

+ #vivasuapele Yggy Escobar e a liberdade de poder ser quem você é

Logo, a Luara já estava dominando a maquiagem, e com esse processo, veio a aceitação de que ela começaria o processo de hormonização. "A maquiagem veio para quebrar algum preconceito que eu tinha comigo mesma e para me mostrar que eu sou bonita do jeito que eu sou, da forma que eu quiser me experimentar, que eu quiser me jogar pra fora, porque aquilo faz parte de mim. Ela veio fazendo parte desse processo que apareceu durante a pandemia".

A maquiagem, a hormonização e a crise de acne

Pesquisando sobre a hormonização, Luara descobriu os efeitos do estradiol puro, por exemplo, na pele: "Muitas gatas tinham a pele muito boa depois da hormonização e falavam sobre o quanto o hormônio havia melhorado a pele delas, então eu achava que minha pele ia ficar um pêssego depois da hormonização. Na verdade tudo depende dos hormônios que você toma - alguns ressecam muito a pele - e acredito que da sua genética também, mas a maioria das mulheres trans que conheço têm a pele muito boa depois da hormonização".

Entre começar a usar maquiagem e o processo de hormonização, porém, sua pele começou a encher de espinhas. "Até hoje não sei exatamente o motivo, mas acho que tem muito a ver com começar a usar mais maquiagem sem cuidar da minha pele e com a ansiedade que sentia, de contar para o meu namorado, para o público..." Ali perto do Natal, Luara conta, surgiram três espinhas. Em janeiro, minha pele pipocou inteira de espinha, cheguei a contar 40 no rosto. Por dia, nasciam três ou quatro. Mas naquela época passava por um processo muito maluco de contar para o meu namorado que era trans, algo que vinha escondendo há algum tempo, de saber que tinha que contar isso pro publico, que minha vida ia mudar a partir dali, tudo isso me deixava ansiosa demais. Chegou num ponto que nem a maquiagem conseguia mais esconder".

O Kit Basicão e o início de uma jornada da pele Sallve

A crise de acne fez com que a Luara adiantasse seu processo de hormonização por alguns meses: "Eu comecei logo em janeiro, porque achei que os hormônios fossem ajudar minha pele. Passei janeiro e fevereiro inteiros com espinhas saindo, uma cicatrizava e a outra nascia, todas deixando manchas muito escuras, e minha autoestima ficou lá embaixo. Eu não conseguia nem me olhar no espelho", relembra a Luara, que conta que a hormonização não cortou o aparecimento das espinhas. "Geralmente você tem que esperar em torno de três meses entre começar o bloqueador de testosterona e o estradiol, mas eu encurtei essa janela porque queria muito que minha pele melhorasse. Passaram dois, três meses, e minhas espinhas continuavam crescendo - em uma quantidade menor, mas ainda estavam ali". Luara já tinha mudado sua alimentação, estava bebendo mais água, prestando atenção em ter hábitos mais saudáveis, mas a quantidade de manchas bem marcadas na pele persistiam. "Fiquei futucando a internet pesquisando procedimentos estéticos, mas estava sem dinheiro, porque estávamos na pandemia, não tinha show rolando". Em junho, com o mês da diversidade, começou a entrar mais trabalho, e Luara viu a oportunidade perfeita de investir na sua pele de verdade: "Foi quando vi a Pabllo falando dos produtos da Sallve, que eu já conhecia há um tempo, como não conhecia muito sobre skincare, não dava tanta bola. Quando pesquisei mais sobre a Sallve, me encantei por esse mundo e fui querer entender mais - o que cada produto tinha como função, e daí por diante, e fiquei com vontade de experimentar".

Luara começou com o Kit Basicão, e só com ele já sentiu diferença na pele: "Ela foi ficando muito menos oleosa, e a melhora foi um processo contínuo daí por diante. Duas ou três semanas depois, vendo que estava funcionando, comprei o Sérum Antiacne e o Sérum Uniformizador, e senti uma diferença enorme na minha pele".

+ Depilação a laser: quais os cuidados antes e depois

A Luara usa os produtos da Sallve 20 dias por mês - seguindo a orientação das profissionais que fazem laser no seu rosto para tirar a barba ("Elas me pediram para não usar nada com ácidos uma semana antes e três dias depois de cada sessão", conta): "Nos outros, uso só o Limpador Facial e o Protetor Solar. Mesmo assim, com quatro meses de uso, o resultado foi ficando cada vez mais visível: "Foi muito engraçado, porque eu achava que não estava fazendo muita diferença, mas fui pegar fotos minhas de alguns meses antes e a diferença era enorme. Eu me dei conta de um dia para o outro como minha pele tinha melhorado. E olha que só uso 20 dias por mês". Seu namorado, aliás, que nunca cuidou da pele, agora também usa seus produtos da Sallve: "Ele também sentiu muita diferença na pele dele, como uma mancha de melasma, que já diminuiu bastante com o uso dos produtos".

Com a pele progredindo, Luara quis compartilhar com seus seguidores no Instagram toda a sua experiência, numa série de Stories em que mostrava o antes e o depois da sua pele: "Eu passei muito tempo sem aparecer no Instagram sem maquiagem, não tinha autoestima nem coragem o suficiente para falar sobre o que estava passando, e a Sallve me ajudou muito. Hoje, sempre que faço meu skincare, me sinto menos pesada, não sinto mais minha pele oleosa, mesmo quando fico uma semana sem passar os produtos. É um efeito contínuo. Não consigo mais viver sem os produtos não só pelo resultado das manchas mas também pela textura da minha pele, que hoje é muito mais hidratada, mais viçosa, com poros reduzidos. Além disso, a maquiagem fica muito mais polida e dura muito mais tempo. A pele hidratada é fundamental para o resultado da maquiagem".

Desde o início da sua rotina Sallve, a Luara conta que nunca mais teve espinha: "Tive uma só, na testa, e outra que logo que senti que ia começar a crescer passei o Sérum Antiacne e ela foi embora. Eu nem sei mais o que é ter espinha, e às vezes fico ate com medo do que vai ser quando eu parar de fazer para o laser, se vou voltar a ter espinha, mas não cresce nada".

"Quis compartilhar o progresso da minha pele com a Sallve porque muita gente que vê meus Stories pode estar passando pela mesma coisa que eu passei, e assim posso ajudar elas. Se eu soubesse de tudo isso quando estava começando minha crise de espinhas que tinham fundo emocional, não teria passado por tudo que passei, com manchas no rosto por tanto tempo. O impacto disso na autoestima é muito forte, não quero que ninguém passe por isso, e quem estiver passando, eu quero ajudar com a solução".

Luara Boombeat

A Luara cita ainda entre seus produtos favoritos da Sallve o Esfoliante Enzimático ("Assim que você tira, a pele parece de bebê, é impressionante"), o Limpador Facial ("Ele me ajuda a manter a pele mesmo quando não faço o skincare e foi um dos produtos mais importantes nesse processo de hormonização e laser") e o Antioxidante Hidratante: "Gosto muito do viço que ele deixa na minha pele, da sensação de hidratação prolongada e de diminuição do inchaço. Eu passo quando acordo e ele desincha a pele, clareia as olheiras... E graças ao Sérum Uniformizador, minhas manchas já são quase imperceptíveis, estão sumindo".

Pele é conversa

Terminando a conversa, Luara conta o que aprendeu nessa sua jornada da pele: "Aprendi que pele é saúde e aprendi a ter um carinho com a minha pele como se ela fosse alguém com quem eu converso. Hoje sinto que converso com ela como se ela fosse uma segunda pessoa, que pede cuidados. Aprendi nesse processo de cuidar da minha pele a ter mais amor por mim e todo esse lance do autocuidado alem da estética. Esse momento de me olhar no espelho e fazer meu skincare é um processo muito profundo pra mim. Com meu processo de transição e hormonização, esse ritual foi essencial pra eu me aceitar cada vez mais. Foi algo que senti que impactou também meu processo de aceitação de quem eu sou, de amor próprio. A gente fica muito nesse lugar dos procedimentos estéticos, com alguém fazendo algo na gente, mas esse processo foi fundamental para eu entender que eu to fazendo aquilo em mim mesma. É um momento em que eu estou cuidando de mim com as minhas próprias mãos e fazendo isso acontecer".

vamos conversar?

mais do blog

buscar

sua sacola

subtotal

Loading
Login efetuado com sucesso!