Celulite: história, o que é, quais as causas e os mitos

Você sabia que a celulite afeta 95% das mulheres após a puberdade?

Quando se fala em celulite, automaticamente a ideia que costuma vir a seguir é saber como diminuir, como tratar, como melhorar o aspecto e por aí vai. Duvida? Se você digitar "celulite" no Google e pesquisar, logo de cara já vem algumas sugestões e "como tratar" e "como reduzir" estão sempre por lá.

celulite o que é como tratar

A verdade é que a celulite, em geral, é uma questão estética e que de fato incomoda muitas mulheres. E aqui a gente frisa "mulheres", porque é nelas que a celulite mais aparece, sendo bem menos comum nos homens. Para ter mais precisão, a Sociedade Brasileira de Dermatologia afirma que a celulite afeta, nada mais e nada menos, do que 95% das mulheres após a puberdade, de todas as etnias. Ou seja, mais gente tem do que não tem.

+ Como filtros do Instagram afetam nossa relação com a nossa pele?

Porém, se é tão comum, quando é que a gente foi ensinada que celulite era algo que que devia ser tratada a qualquer custo? Quando a gente começou a ver uma questão natural e que está presente no corpo de tantas mulheres adultas ser posto como algo que deveria ser combatido?

Celulite e a história

A palavra "celulite" apareceu pela primeira vez em 1873 na 12ª edição do Dicionário de Medicina, de Littré e Robin. No dicionário francês, o termo significava apenas "nome dado por alguns autores à inflamação de tecido celular ou laminar". Bem amplo, ainda sem diferenciar a celulite que aflige as mulheres da do tipo infeccioso, que de fato é uma patologia (doença).

+ Padrões de beleza e cirurgias plásticas: e quando a moda passa?

O termo celulite com toda a carga de preocupação coletiva, só se formou muito tempo depois, em 1920. A tese de 2004 ("O Corpo Feminino Entre a Ciência e a Culpa – A História Acerca da Celulite") da professora Rosella Ghigi, da Universidade de Bolonha, na Itália, aborda o tema e traz alguns pontos importantes e curiosos:

  • "A celulite que hoje assombra as vitrines das nossas farmácias é uma preocupação coletiva que tem data de nascimento e país de origem: a década de 1920 na França. Anteriormente, sua alteridade em relação ao resto do corpo não era reconhecida, nem mesmo 'vista'."
  • "Antes de ser 'inventada', a celulite era carne feminina adulta (Wolf, 1990); a partir de então, os diferentes locais onde se localizará passarão à categoria "patológica". O único ponto contínuo da década de 1930 até os dias atuais, quaisquer que sejam os locais e as causas consideradas, é que a celulite diz respeito ao 'feminino'."
  • Em fevereiro de 1933, a revista feminina Votre Beauté fez sua primeira matéria sobre a celulite, em um artigo do Dr. Debec sobre exercícios contra a gordura. A celulite era definida como "o problema para o qual a ginástica não oferece remédio, um acúmulo de água, resíduos, toxinas, gordura, que formam algo contra o qual não estamos preparados para lutar". Basicamente, ligava a celulite à obesidade, mas ressaltava que era composta de resíduos tóxicos "como aqueles que se encontrariam em um abscesso ou em um tumor". A diferença entre a celulite infecciosa ainda não tinha desaparecido. "No entanto, as características que marcarão a celulite ao longo de sua história já estavam presentes: ela é predominantemente 'feminina' e requer 'cuidados específicos'", aponta Rosella Ghigi. "Nenhuma propaganda de produtos se referia explicitamente à celulite, mas propagandas de consultórios médicos e salões de beleza logo começaram a mencionar a condição", conta ainda o artigo, adicionando que a pressão desses estabelecimentos pode ter sido responsável pelo aumento de matérias sobre o tema.

    + Danae Mercer, a jornalista que revela os truques dos influenciadores
  • Em 1938, quando o livro "La cellulite de la nuque" foi publicado, a preocupação com a celulite era na nuca e não no bumbum ou nas coxas, como é atualmente. Na época, as partes mais visíveis do corpo feminino eram justamente os tornozelos e a cabeça. Cortes de cabelos mais curtos, deixavam o pescoço à mostra e essa parte do corpo ganhou muita atenção.
  • É natural que a preocupação com a celulite aumente entre os anos 20 e 40, "Nesse período, de fato, há uma 'obsessão normativa' pelo excesso de peso que começou a se espalhar por diferentes estratos sociais, com um impulso que os Estados Unidos só experimentariam na década de 1950. [...] A gordura subitamente tornava-se 'feia' e 'ruim' em si mesma, ao mesmo tempo em que começava a ficar sob a vontade dos indivíduos: se o obeso renunciava à magreza, atribuía-se 'fraqueza de caráter ou mau gosto de classe'. Os verdadeiros alvos dessa culpa pela obesidade eram as mulheres."
  • Durante o período entre guerras, a medicina e a moda estabeleceram ligações mais diretas, graças às revistas femininas, que representavam seu ponto de encontro. "Os designers de moda franceses promoviam qualidades libertadoras da magreza moderna e começaram a se referir à saúde, em particular às desvantagens da obesidade", diz Ghigi. Enquanto isso, os médicos começaram a escrever sistematicamente em revistas de moda ou a publicar guias para perder peso. As proporções ideais de um corpo feminino foram diminuindo ao longo do tempo. "Como a moda tornou o corpo feminino mais visível, com roupas cada vez mais curtas e moda praia se espalhando, as proporções ideais diziam respeito a um número crescente de regiões do corpo. Assim, multiplicaram-se os lugares que poderiam tornar um corpo 'antiquado'", explica a pesquisadora.
  • Nos Estados Unidos, a celulite só ganhou força mais para frente. Em 1968, a revista Vogue trazia na capa: "Celulite, a nova palavra para denominar a gordura que não conseguiu perder".

O papo sobre celulite, corpo feminino e o fato de ser ou não uma invenção sexista é extremamente amplo e interessante. Fica a dica: para quem se interessar sobre o assunto, vale ler a tese completa aqui.

O que é tecnicamente celulite?

Voltando para os dias atuais, agora é hora de falar o que se sabe sobre celulite até então. O nome técnico da celulite é Lipodistrofia Ginoide e é, basicamente, um depósito de gordura sob a pele. Não é uma doença e se caracteriza pelo aspecto ondulado na superfície da pele, como se fosse a casca de uma laranja.

+ 3 passos essenciais para cuidar da pele do corpo

Como já te contamos, afeta principalmente mulheres após a puberdade, de todas as etnias, mas é ainda mais comum entre mulheres de pele branca. Aparece raramente em homens e, geralmente, quando há desequilíbrio hormonal.

A celulite costuma aparecer mais nos quadris, coxas e bumbum, mas também nos seios, parte inferior do abdômen, braços e nuca. A SDB explica que são áreas onde a gordura está sob a influência do hormônio feminino estrógeno.

+ Máqui Nóbrega: uma jornada incrível com seu próprio corpo

E, apesar de ser um fator agravante para a celulite, a Sociedade Brasileira de Dermatologia ainda alerta que a obesidade "não é uma condição necessária para existência de celulite; há mulheres magras com celulite."

Quais são as causas da celulite?

As causas da celulite não são conhecidas e os estudos sobre o tema ainda são escassos. Segundo a SBD, há suposições, mas nada comprovado. Apesar disso, há fatores que predispõe como genética, sexo, problemas circulatórios, alterações hormonais, má alimentação, sedentarismo.

+ O funcionário do mês: seu corpão querido - por Ju Romano

A Dra. Patrícia Mafra, membro titular da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), ainda aponta: "A celulite é causada pelo acúmulo de gordura, água e toxinas no tecido, devido a predisposição. Porém, existem fatores agravantes, como por exemplo, a má alimentação, dieta rica em gordura, alterações no metabolismo, sedentarismo. Alterações hormonais, desidratação, quantidade aumentada de gordura corporal total também são fatores predisponentes. A espessura da pele também influencia no aparecimento e/ou agravamento do quadro."

Há diferentes tipos?

A SBD afirma que graus de celulite são avaliados por dermatologistas através da Cellulite Severity Scale, que foi criada em 2009 por médicas brasileiras (Doris Hexsel, Camile Hexsel e Taciana Dal Forno) e já é reconhecida internacionalmente.

E como essa classificação funciona? Avaliando as 5 principais características clínicas da celulite. Cada um desses itens recebe uma pontuação de zero a três. São eles:

  1. Número e profundidade de depressões;
  2. Aspecto das áreas elevadas da celulite;
  3. Presença de lesões elevadas;
  4. Presença de flacidez;
  5. Graus da antiga classificação

Dependendo da soma total dos pontos, o grau da celulite entra em uma dessas três categorias:

  • Leve (1 a 5 pontos);
  • Moderada (6 a 10 pontos);
  • Grave (11 a 15 pontos).

Bebês têm celulite?

Bem, na verdade não é uma celulite como aparece em mulheres adultas e nem com as mesmas causas. "A celulite acomete principalmente as mulheres. As mulheres apresentam um acúmulo de gordura nas coxas, quadris e nádegas, que são as regiões comumente acometidas. Outro fator que predispõe o aparecimento do quadro mais em mulheres do que em homens é a estruturação das fibras do tecido conjuntivo. Os bebês podem apresentar o aspecto ondulado na pele devido ao acúmulo de gordura em algumas regiões associada a falta de estruturação adequada do tecido", aponta a especialista.

+ 5 dicas para driblar a preguiça de cuidar da pele do corpo

Celulite piora com o avanço da idade?

A Dra. Patrícia Mafra afirma que sim. "Devido a alterações no metabolismo, que tende a ficar mais lento com o envelhecimento. O maior acúmulo de gordura, a flacidez de pele e as alterações na circulação também agravam o quadro."

É verdade que a celulite não desaparece?

Não é bem assim. Com os atuais tratamentos estéticos e dependendo do grau da celulite que a pessoa apresenta, é possível fazer com que ela suma naquele momento. Porém, não é definitivo.

"A celulite não tem uma 'cura' definitiva. Ela tem tratamentos. A gente consegue melhorar muito o aspecto da pele, muito mesmo. Alguns casos, até some, mas não é definitivo. Ela tende a voltar", explica o Dr. Abdo Salomão, sócio efetivo da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e membro da American Academy of Dermatology (AAD).

+ Os benefícios dos antioxidantes para a pele do corpo

A Dra. Patrícia Mafra ainda emenda: "Quadros mais acentuados com nódulos e retrações significativas realmente não desaparecem por completo. Quadros mais brandos, com menos 'furinhos', que ficam mais visíveis com a contração da musculatura ou compressão local podem apresentar uma melhora significativa com mudanças de hábitos de vida e/ou tratamentos estéticos."

A celulite é um indicativo de algum problema?

Não, segundo especialistas, a celulite não é um indicativo de doença e é uma questão estética. "O maior problema é o desconforto estético. As mulheres ficam incomodadas com o aspecto dos furinhos na pele", afirma a Dra. Patrícia.

Quais tratamentos de fato funcionam?

Como já te dissemos, a celulite não precisa obrigatoriamente de tratamento. Mas se é algo que te incomoda esteticamente, que afeta diretamente sua autoestima, saiba que há tratamentos possíveis e variados, dependendo do grau da celulite. Por isso, é muito importante que você procure um dermatologista para entender o que faz mais sentido para o seu caso.

+ Vida sedentária? 10 dicas para se exercitar

A primeira etapa é manter hábitos saudáveis, como alimentação balanceada, beber água, praticar exercícios físicos. "Para quem deseja tratar, como não há como mudar características genéticas, a primeira coisa é ter um hábito de vida saudável. Fazer esportes aeróbicos, drenagem linfática manual e com aparelhos, alimentação correta, beber água e comer verduras, frutas e legumes, evitar frituras, carnes gordas e sanduíches. Não está provado que refrigerantes tenham ação direta na celulite", afirma o Dr. Abdo.

Falando em tratamentos estéticos, a Dra. Patrícia afirma: "Atualmente existe uma diversidade de tecnologias que podem auxiliar muito no tratamento. Aparelhos de radiofrequência, infravermelho, corrente eletromagnética e US microfocado podem ser indicados de acordo com o grau de celulite. Existem casos em que podemos realizar procedimentos minimamente invasivos, como a subcisão, que é o descolamento da fibrose abaixo da pele associado ou o preenchimento dos furinhos com ácido hialurônico ou bioestimuladores injetáveis do colágeno. Esses tratamentos podem ser feitos simultaneamente ou cada um isoladamente de acordo a indicação, após uma avaliação da estrutura corporal e do tecido. Bons hábitos de vida, com um equilíbrio na alimentação, associado a prática regular de exercícios físicos são fundamentais para um tratamento mais efetivo."

+ 70% da nossa pele é água: já parou pra pensar nessa relação?

A médica ainda indica que massagem local pode ajudar no tratamento de celulite, já que melhora a circulação no local. "Essa massagem pode ser realizada com cremes tópicos que apresentem ativos que estimulam a circulação local, como por exemplo a cafeína", aponta.

"Como pode se perceber, o sucesso do tratamento da celulite vem da associação de múltiplos fatores, bem como do grau da celulite e da predisposição individual", finaliza.

Antioxidante Hidratante Corporal ajuda?

Muita gente pergunta se o Antioxidante Hidratante Corporal ajuda com a celulite. Afinal, o fato dele ajudar a melhorar a circulação sanguínea local é incrível para ajudar com aquela sensação de inchaço nas pernas, por exemplo. Mas realmente: ele também pode colaborar com o tratamento de celulites.

Com a palavra, a Dra. Monalisa Nunes, dermatologista consultora da Sallve: "A celulite é um acúmulo de gordura, uma inflamação da pele, que acaba gerando uma retenção de líquidos. Por isso que a drenagem linfática ajuda a suavizar a aparência da celulite. Então, você ter um produto que melhora a circulação cutânea, ajuda muito na questão da celulite."

+ Antioxidante Hidratante Corporal aumenta firmeza e elasticidade da pele

É claro que o produto sozinho não vai acabar com a celulite, não é nada disso! Mas junto com um conjunto de ações, como beber a quantidade recomendada de água, por exemplo, ele pode ser extremamente benéfico. "Celulite é muito alimentação, drenagem linfática e exercícios físicos. Exatamente porque os exercícios físicos e a drenagem ajudam nessa microcirculação, deixando a pele (e o corpo todo) mais saudável e isso diminui a retenção de líquido, principalmente, nas pernas. Se alimentar bem é fundamental, uma alimentação mais anti-inflamatória, mais saudável, né? Com poucos processados, açúcares refinados, etc."

Ou seja, o Antioxidante Hidratante Corporal é um excelente aliado para o tratamento de celulite, junto com um conjunto de ações, como boa alimentação, beber água e, claro, se exercitar. Além também do grau de celulite que você tem também. O ideal é sempre procurar um dermatologista, se a celulite for algo que te incomoda.

+ Antioxidante Hidratante Corporal ajuda a uniformizar textura da pele

O Antioxidante Hidratante Corporal é o melhor do tratamento para a pele do corpo em uma loção cremosa de rápida absorção.

Sua fórmula une compostos antioxidantes (Vitamina ECarnosinaextrato de café e o próprio óleo de semente de uva) a hidratantes como o Phytoesqualano, oferecendo uma série de benefícios com sensorial confortável e refrescante.

Além de oferecer hidratação prolongada, sua composição garante proteção de danos causados pela poluição, prevenção de sinais do tempo, melhora a circulação local e aumento da elasticidade. A Vitamina E, por ser um anti-inflamatório natural, também contribui para acalmar a pele, se tornando uma ótima pedida no pós-depilação, por exemplo. Ela fica mais macia, mais hidratada e com zero sensação grudenta.

E aí: que tal inserir o Antioxidante Hidratante na sua jornada da pele?

Referências e artigos usados para o texto

Celulite - SBD

LIPODISTROFIA GINÓIDE – ETIOPATOGENIA, AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO CLÍNICA

Celulite - BVS

O "problema" da celulite é uma invenção moderna

Le corps féminin entre science et culpabilisation

A validated photonumeric cellulite severity scale

Comparison of Cellulite Severity Scales and Imaging Methods

vamos conversar?

mais do blog

buscar

sua sacola

subtotal

Loading
Login efetuado com sucesso!