Como o time Sallve mudou sua relação com a maquiagem na quarentena

Nosso time conta como o isolamento social mudou sua relação com a maquiagem em relatos deliciosos e inspiradores

maquiagem na quarentena

Outro dia li uma constatação bem interessante - não sei se foi em alguma matéria ou tweet: estamos colocando à prova nesta quarentena o conceito de se vestir ou se maquiar para si mesmo. Sabe aquela história do "eu não passo maquiagem pros outros, e sim pra mim"? Esse parece ser o lema de quem continua usando maquiagem na quarentena.

Estamos há meses confinados em casa (ou saindo apenas para o essencial), e desde o começo vários hábitos nossos já mudaram. Lembra de quando a gente fazia questão de se arrumar todo para passar o dia sentado no computador trabalhando? Tanto tempo depois, quem aí já se rendeu ao pijamão o dia inteiro (ei! não se culpe, especialmente no inverno!)? Nada é obrigação: se arrumar, se maquiar. Por isso, quando a gente faz, reforça esses costumes como um ritual nosso mesmo, que nos faz bem, antes de mais nada. É assim com a maquiagem.

Aqui no time Sallve, a maquiagem vem servindo de antídoto anti-monotonia, pílula de bom humor imediato ou até puramente como hobby, que pode inclusive virar aprendizado - ou até biscoito mesmo, afinal de contas, Stories ou Tiktoks estão aí pra isso, né?

A Maria Carol, nossa coordenadora de desenvolvimento de produto digital, conta que tem se maquiado menos do que antes (que era "todos os dias", segundo ela), preferindo deixar os cosméticos para ocasiões como sexta-feira, finais de semana, lives ou call com amigos: "Ou quando estou desmotivada e preciso de um gás", conta.

maquiagem na quarentena

Ela diz ainda que como tem cuidado melhor de sua pele, quase não usa base, preferindo focar nos olhos: "Uso delineador e estou aprendendo a fazer contorno!", brinca. Outra coisa que ela se aventurou a fazer com a maquiagem neste período? "Nunca fui de usar make colorida, então ficar em casa ajuda a arriscar nesse sentido, já que ninguém vai ver mesmo!", brinca. "Comecei a gostar mais de cor e já não estou mais só na sombra marrom ou preta".

Maquiagem na quarentena como forma de expressão para além do gênero

Nosso pesquisador júnior, Marcus Amaral, também aproveitou a quarentena para extravasar sua vontade de brincar com maquiagem, uma vontade que surgiu assistindo tutoriais e vendo fotos de desfiles. "Mas nunca tive coragem de gastar dinheiro com isso, além de ter medo de ficar horrível."

"A masculinidade é uma caixinha de vidro frágil que só. É ótimo viver fora dos padrões do que deveria ser um homem e ter um espaço formal pra discussão sobre isso dentro do trabalho."

Marcus Amaral

Corta para a quarentena e Marcus e Armando Nader, que moram juntos, compraram um kit de maquiagem de quarentena, e o momento virou diversão e relaxamento, em frente ao espelho, escutando Jessie Ware. "Como não tem ninguém olhando, pode ficar horrível, pode não dar certo, não tem pressão nenhuma - o que eu acho a melhor parte. No início meus delineados eram péssimos, mas hoje já tá 'bem Patrícia', justamente por eu não ter tido o julgamento do 'tá feio, para de fazer que você tá passando vergonha'", conta Marcus.

Marcus Amaral

Seu depoimento acabou rendendo declarações de amor pelo nosso Slack:

"Sempre fico muito inspirada quando vejo homens usando maquiagem. Deve ser muito libertador poder se expressar dessa forma também. Acabo me sentindo mais motivada de arriscar também quando vejo vocês se jogando na make. Amo muito!"

Maria Carol

Armando Nader, nosso analista de performance que também vive aparecendo em seus Stories com sombras e delineados animadíssimos, também se soltou mais na maquiagem na quarentena. "Sempre achei maquiagem lindo, mas tinha muito preconceito - algo que ainda estou desconstruindo. Comecei experimentando com glitter no Carnaval, quando era mais 'aceitável' para as minhas amarras. Agora com a quarentena eu comecei a pensar que estando em casa não teria melhor hora para experimentar. Ainda não faço maquiagem para o dia-a-dia, mas aprendi a fazer um delineado ok. O kit que o Marcus me deu de presente de aniversário tem sido um ótimo recurso para os experimentos", ele conta. "Vou tentando sempre seguir os conteúdos de make da Jana Rosa no Bonita de Pele, da Camila e de outras pessoas nas redes sociais - como o Watoniki -, e aprendendo a aceitar que não vou conseguir replicar de primeira."

Armando Nader

"A a minha experiência é muito próxima à do Marcus", emenda nosso designer e fera macia, Álvaro Bigaton. "Também consumo muito conteúdo de beleza há algum tempo. Comecei a me aventurar primeiro no âmbito da maquiagem corretiva por conta da acne, mas com o tempo fui querendo provar coisas mais lúdicas. Por mais que eu não esteja me maquiando muito na quarentena, semana passada eu tive muitas reuniões agendadas, então as usei como desculpa para montar umas makes mais divertidas e tornar o processo mais divertido dessa forma", conta. "Em alguns momentos comecei uma make que de início eu não gostei por ser muito diferente pra mim (uma make roxa-azulada, por exemplo), mas como não havia essa pressão de sair em público, dei um tempo para me acostumar com acabamentos e cores diferentes e acabei gostando."

maquiagem na quarentena

Às vezes recebo elogios por makes em que sinto estou uma verdadeira palhaça, mas acho que eles vêm desse espaço de admiração pela liberdade de poder brincar com maquiagem e não só entendê-la exclusivamente como correção - que infelizmente é algo que muitas mulheres são condicionadas a todo momento, né? Eu também entendia assim há até pouco tempo). Às vezes pode até estar meio feio, mas a coragem de tentar algo novo também é inspiradora."

Álvaro Bigaton

O fim de um relacionamento que fez renascer a paixão pela maquiagem na quarentena

Carolina Merino, do nosso time de comunicação, sempre gostou de se maquiar, mas conforme foi ficando mais velha, acabou deixando as cores de lado no dia a dia: "Fazia um delineado ou outro - minha grande paixão -, mas nada demais." Ela conta que no começo da quarentena sua relação com a maquiagem ficou conturbada: "Estava bem deprimida, para falar a verdade, muito preocupada com o futuro e em um relacionamento que não estava legal", se abre. "Esse término do relacionamento foi essencial pra minha 'volta por cima', porque realmente passei a me divertir enquanto me maquiava."

maquiagem na quarentena

Carol comprou duas paletas de sombras coloridas, alguns delineadores e agora vem investindo sempre nos olhos coloridos que tanto gosta: "Ainda estou aprendendo a trabalhar com a sombra, que geralmente usava só em ocasiões especiais, para fazer um olho elaborado, mas hoje em dia ela já está mais incorporada à minha rotina", conta Carol, que tem preferido focar mesmo nos olhos e deixar a pele bem fresca.

De tanto se divertir e ouvir perguntas sobre como faz seus delineados, Carol começou a produzir conteúdos de beleza em seu Instagram: "Além de me divertir sozinha, ainda divertia quem me assiste. Inclusive tive alguns feedbacks de amigas próximas que compraram produtos que eu mostrava e passaram a se maquiar por influência minha!"

Com tudo isso, Carol deixa claro que não sente qualquer obrigação de se maquiar diariamente. Se acordei atrasada ou se eu simplesmente não estou a fim, eu não faço e me sinto super bem com a minha pele limpa. Mas tem dias que acordo mais cedo porque fico animada com alguma maquiagem que vi na internet e gostaria de reproduzir. Maratonei a segunda temporada de 'Glow up' no último final de semana e meu Deus, tantas inspirações maravilhosas!", finaliza, rindo.

Necessidade que virou prazer

Olivia Nunes

A Olivia Nunes, nossa estagiária de marketing de produto, por sua vez, viu a maquiagem se transformar de necessidade pessoal em prazer: "Por muitos anos não conseguia sair de casa sem base+corretivo+muuuito pó, e isso só melhorou quando eu comecei a desenvolver uma relação mais saudável com minha pele, minhas manchas e minhas espinhas, de um ano para cá".

Olivia parou totalmente de usar maquiagem na quarentena, deixando seus cosméticos apenas para momentos de diversão. "Desde que comecei a trabalhar na Sallve, porém, voltei com a rotina de me arrumar, numa filosofia de positividade da pele, então estou cobrindo muito menos a pele e tentando realçar o que mais amo em mim", ela conta. "E é impressionante o quanto isso tem transformado minha disposição e satisfação comigo mesma. Só de passar um rímel e uma sombra divertida de vez em quando me sinto muito mais capaz de tudo."

Aproveita o bom humor e anima a maquiagem!

Natália Costa

"Eu sempre usei maquiagem de acordo com o meu humor, então varia muito o quê e como uso", conta a Natália Costa, do nosso time de comunicação. Tem uns dias que estou cansada e nem chego perto de maquiagem, mas tem dias que quero me motivar mesmo no cansaço, daí passo uma maquiagem pra ninguém reparar a carinha de cansaço", diz.

"Com a pandemia, há dias muitos sensíveis, né? Tem dias que nem consigo pensar em maquiagem, mas tem uns dias que eu ponho na cabeça que é pra ser igual o Natal quando a gente se arruma para ficar na sala com a família, sabe?"

Natália Costa

Ela aproveita acontecimentos pessoais e profissionais - como os lançamentos da Sallve - e capricha na make: "Quando quero transparecer essa alegria, uso a maquiagem para compartilhar esse meu humor/vibração, algo que fosse diferente do basiquinho que uso - como estrelinhas para me inspirar a ter um dia um pouco melhor, ao menos me sentindo feliz com o meu externo."

Quarentena: a hora certa para se inspirar em novas referências

Carol Lopes

A Carol Lopes, nossa community manager e redatora júnior, também aproveitou o período em casa para se aventurar. "Maquiagem para mim sempre foi uma coisa que tinha que ser divertida, e nesse sentido a quarentena foi boa pra testar coisas novas, coloridas e brilhantes. A última que fiz foi uma cheia de glitter inspirada na música 'Mirrorball', da Taylor Swift. Teve também outra em que reproduzi a maquiagem da Beyoncé em 'Already'. Essa foi muito legal de fazer porque eu não tinha as cores exatas, então o jeito foi misturas várias sombras até chegar em algo parecido. Tudo isso me deu vontade de experimentar mais, sabe? Já estou até fazendo uma listinha de inspirações pra tentar depois."

A maquiagem como um novo canal de comunicação

"Eu também sempre fui ligada ao mundo da beleza e maquiagem", conta a Camila Tanaka, do nosso time de cosmetovigilância, que desde sempre usa maquiagem (ela ganhou um curso profissionalizante de maquiagem em sua formatura!). "Até fiz uns trampos por aí, mas agora a relação que eu tenho com a maquiagem é diferente do que eu tinha antes."

Camila Tanaka

"Comecei a me maquiar na quarentena porque foi bem uma válvula de escape pra todo cenário mundial."

Camila Tanaka

"Sentia que aquele era meu momento com a minha criatividade - tanto que comecei a fazer e me interessar por maquiagens bem menos óbvias e passei pro lado mais artístico, mas que ainda assim eu usaria para o rolê." O interessante? Camila combina olhos trabalhados com uma "pele nada", bem fresquinha, e sempre posta os resultados no Instagram com a hashtag #makedosurto.

"Depois de tudo isso, sinto que meu lado criativo está muuuito mais presente em mim: desenvolvi muito minha comunicação e agora uso da maquiagem como um projeto pessoal meu para impactar as pessoas de uma forma diferente. Afinal, sempre digo, se a gente não está aqui pra impactar a vida das pessoas, porque estamos, né?"

vamos conversar?

mais do blog

buscar

sua sacola

  • Loading