Ácido tranexâmico: o "diferentão" dos ácidos

O que faz do ácido tranexâmico a mais nova estrela do skincare? Entenda seu mecanismo de ação único no tratamento de manchas.

acido tranexâmico

Inserir ácidos na rotina de skincare é um daqueles passos bem simbólicos de que estamos realmente mergulhando fundo na jornada de cuidados com a nossa pele. O salicílico marca o início do tratamento da acne, o glicólico invariavelmente é pesquisado quando começamos a prestar atenção na textura da nossa pele e buscamos aquele viço tão desejado...

Por isso mesmo, quando um ácido que a gente não conhecia até bem pouco tempo atrás começa a surgir em fórmulas e conversas sobre cuidados com a pele, o falatório é geral. É assim com o ácido tranexâmico. Para se ter uma ideia, a busca pelo ativo no Google aumentou 25% só em 2020, enquanto conteúdos em torno do ativo no Tiktok somam mais de 1,4 milhão de visualizações.

+ Ácido tranexâmico, o ingrediente amigo de quem tem melasma

Mas por que o ácido tranexâmico virou uma das mais novas estrelas do skincare?

Basta pesquisar um pouco mais sobre o ácido tranexâmico para entender: é que o ativo é poderoso para uniformizar a pele com hiperpigmentação, melanose solar e até melasma - manchas bem comuns, mas que não são das mais fáceis de tratar. E a forma como ele faz isso é bem incrível: para despigmentar manchas, o ácido tranexâmico interage com uma enzima da nossa própria pele, bloqueando a conversão do plaminogênio (presente nas células basais epidérmicas) em plasmina, inibindo o ativador plasminogênio.

+ Manchas: para cada caso existe um tratamento específico

Em outras palavras: quando a pele é exposta à exposição solar, quando você tem uma inflamação causada pela acne ou um machucado, sua pele produz um excesso de plasmina. Esse excesso é o que estimula uma maior produção de melanina nas camadas inferiores da pele, que vira, eventualmente, uma mancha.

"O ácido tranexâmico atua na inibição da plasmina, ele é bem específico", explica Dra. Carine dal Pizzol, do time de pesquisa e desenvolvimento da Sallve. "Quando diminuímos a liberação de plasmina, diminuímos a inflamação, e como consequência há a diminuição do estímulo para produção de melanina", completa.

Mas o que faz dele um ácido diferentão?

Quando se pensa em ácidos, é comum imediatamente associá-los uma ação esfoliante. Mas o ácido tranexâmico age de outro jeito: "Embora ele tenha o nome de ácido, ele não promove a esfoliação da pele", explica Dra. Carine. "Geralmente, esses ácidos que esfoliam a pele são pH dependentes, e muitas vezes podem causar algum desconforto na pele, pois precisam estar em um pH específico para ter sua ação, como é o caso dos AHAs: para que eles tenham sua ação esfoliante, eles precisam estar em formulações com pH em 3,5 a 4. Se você usar um ácido glicólico em uma fórmula em que o pH estiver maior, ele agirá como hidratante para pele".

+ Alfa-hidroxiácidos: como inserí-los na sua rotina de skincare

"O ácido tranexâmico é a estrela do momento por ser um ácido novo e seguro, que não traz reações adversas mais fortes para a pele, como vermelhidão, irritação ou ardência", aponta Antônio Carlos Vanzo, Chief Scientific Officer da Sallve. "Com outros ingredientes você pode tratar a mancha mas ao mesmo tempo ressecar ou agredir a pele. O ácido tranexâmico é extremamente seguro, ele age em diversos momentos do processo de formação da mancha, e é um ingrediente relativamente novo", completa. "A gente usava outros ativos no passado que poderiam até despigmentar manchas, mas tinham efeitos colaterais indesejados para a pele".

+ Os benefícios do Sérum Uniformizador para a pele acneica

O ácido tranexâmico também é seguro para todos os tipos de pele e pode ser usado em tratamentos a longo prazo. Aqui na Sallve, ele aparece na fórmula do nosso Sérum Uniformizador, uma fórmula única que trata antes, durante e depois da mancha.

Ele também uniformiza olheiras pigmentares e linhas finas, podendo ser usado na área dos olhos, rosto e corpo. O Sérum Uniformizador conta em sua fórmula ainda com retinol biomimético, responsável por uniformizar textura e tom sem sensibilizar, niacinamida 5% que reduz a pigmentação excessiva e alpha-arbutin, que regulam o início da produção da melanina. Já o óleo de rosa mosqueta, um antioxidante com ação hidratante e cicatrizante.

vamos conversar?

mais do blog

buscar

sua sacola

subtotal

Loading
Login efetuado com sucesso!