Usando a quarentena para explorar bases de baixa cobertura

E se você aproveitar a quarentena para se aventurar com outras coberturas de bases? Julia Petit, Magá Moura, Vic Ceridono e Adam Mitch ensinam como.

Antes de mais nada: este não é um post de base pesada-shaming. Tem gente que ama base pesada, que se sente super bem com "pelão", como o povo adora chamar. Chame de estética Kardashian, chame de sua estética, chame de gosto pessoal... Cada um usa o que gosta.

Isto posto...

A minha relação com base levinha demorou muito tempo para passar de "it's complicated" para "em um relacionamento sério" nas redes sociais. Base pesada sempre foi minha maior aliada na hora de disfarçar minhas cicatrizes de acne e uniformizar o tom da minha pele. Eu podia ir para festivais de música de quatro dias, em que suaria um rio e ficaria imunda de terra: minha base de alta cobertura estava comigo.

Com o tempo, graças ao conhecimento de que precisava cuidar melhor da minha pele antes de tentar escondê-la, fui começando a me aventurar mais nessa onda das bases levinhas - que em sua maioria dão, de que quebra, um viço lindo na pele. O resultado fica mais natural e mais fresco.

E aí, justamente quando você começa a trabalhar com bases de cobertura baixa, aquelas mais levinhas, você vai vendo que na verdade elas são até mais versáteis que as bases "reboco". Enquanto a base de alta cobertura basicamente te entrega apenas um acabamento, a levinha te deixa ir construindo a cobertura aos poucos e só onde você quer. Você pode construir camadas em lugares específicos, abusar mais do corretivo...

O processo pode ser longo se você nunca conseguiu abrir mão de uma boa cobertura: vicia mesmo, é sedutor. Mas olha: não precisa abrir mão de cobertura só por que você quer uma base levinha.

Aqui, reunimos dicas dicas de parceiras para quem quer usar esta quarentena justamente para isso: aprender a trabalhar com diferentes coberturas de pele que não dependam da base pesadona.

Primeiro passo: hidrate sua pele

Antes de entrar com a base, lave, tonifique e hidrate seu rosto. Isso vai ajudar todos os produtos que você vai passar depois a assentarem melhor no seu rosto, além de ampliar sua duração, como ensinou Adam Mitch (@adammitch.real) em um vídeo exclusivo para o nosso IGTV:

 

 

Nossa ruiva Julia Petit também já pregou esse gospel por aqui: "Quando você simplesmente pega sua pele ressecada e passa a base, ela não se adapta direito. Pensa no seu rosto como uma tela: uma tela bem preparada é uma tela melhor para receber qualquer coisa que você vier a colocar depois. Toda base e todo o corretivo vão responder melhor a uma pele bem hidratada."

No vídeo abaixo, Julia ensina como usar nosso Hidratante Firmador como primer, com uma massagem que tira ainda mais proveito do efeito tensor do nosso hidratante.

 

 

Quanto mais bem cuidada tiver sua pele, menos você vai sentir necessidade real oficial de cobrí-la o tempo todo. Você pode até fazer isso quando bater vontade ou quando sentir que precisa de fato de mais cobertura, mas a ideia aqui é aprender a trabalhar com outros acabamentos e não depender apenas de um perfil de base só.

Corretivo além dos olhos

Quando você usa uma base mais leve, não precisa necessariamente abrir mão da cobertura. Ela simplesmente vai acontecer mais pontualmente.

"Fazer a pele com corretivo a deixa respirar um pouco mais, mas ao mesmo tempo ela fica mais uniformizada", ensina Vic Ceridono (@vicceridono), em seu vídeo para o IGTV da Sallve. "Você passa onde precisa, e onde não precisa deixar sem nada", ensina. A Vic gosta de passar corretivo nas olheiras e onde mais quiser cobrir, como espinhas ou marquinhas, deixando a cobertura sempre concentrada mais no centro do rosto. Outra dica boa? "Não passo na pálpebra. Assim ela já fica uma corzinha natural."

Depois de aplicada a correção, se você tem uma espinha mais visível que reapareceu após você passar o blush, você pode entrar com um pincel bem fininho para uma correção pontual com um corretivo mais pesado do que o usado antes. A Vic te ensina abaixo:

 

 

Você também pode começar pelo corretivo e em seguida aplicar a base mais levinha, como faz Magá Moura (@magavilhas) em seu tutorial para o nosso IGTV. Para não tirar o corretivo de onde você o passou, a Magá prefere uma esponjinha ao pincel na hora da base.

 

 

Precisa cobrir o rosto todo?

Esta é uma pergunta que muita gente pode jamais ter levado em conta, mesmo com as bases de alta cobertura: não necessariamente precisamos passá-la em todo o rosto.

Quando a concentramos em pontos específicos que queremos uniformizar/corrigir, o resto da sua pele brilha em sua textura natural, dando um resultado mais leve e fresquinho mesmo se você usa uma base mais pesada. Ou você pode ainda concentrar a pesada onde achar que precisa: por exemplo, a bocheca com cicatrizes de acne ou espinhas, e onde não precisa pode explorar uma cobertura levinha.

Que tal aproveitar a quarentena para isso? Com tanto tempo em casa e sem a pressão de ter que encontrar ninguém, você tem o luxo de se dar tempo de se acostumar, testar e explorar diferentes aplicações e combinações de bases.

vamos conversar?

buscar

sua sacola

  • Loading