O cansaço que a espera traz

Esperar cansa demais, né? Um esforço - não físico - que mexe com nossa cabeça, corpo e mente. Eu descobri que dá pra viver melhor aproveitando o processo. Deixa eu te mostrar como

Quando eu era pequena, fazia inúmeras viagens de carro com a minha família. Nós morávamos no interior de Pernambuco, então, praticamente tudo era distante. Éramos em quatro: minha mãe, meu pai, meu irmão mais novo e eu. E de nós quatro, eu era a mais impaciente - sério, pra tudo. Sabe aquela cena do Shrek com o Burro, em que ele fica perguntando o tempo inteiro se já chegaram em "Tão, Tão Distante"? Pronto, eu era o Burro. Ficar parada por muito tempo me deixava ansiosa, angustiada e, consequentemente cansada. Bem, parando pra pensar, hoje em dia não mudei muito.

Esperar. Ter que olhar o tempo passar e sentir como se cada minuto daquele tic-tac fosse um quilo a mais nas suas costas. Ter que se forçar a ter paciência. Logo na era do imediatismo, do Google, Ctrl+C Ctrl+V, como não ficar cansada esperando algo que só pode acontecer com o tempo? Não sei.

+ #Vivasuapele Waleska Carvalho: da rotina básica ao consumo consciente

Ando tendo que lidar com a ausência de algo. Essa ausência só vai ficar menos dolorida com o tempo. Eu até tento conversar com amigos, família, até mesmo com gente que não conheço, e sempre voltam para o mesmo assunto:

“Carol, você precisa ter paciência. Espere que você vai conseguir.”

O problema é que ter essa paciência toda que todo mundo diz que precisamos ter cansa, né? E não é um cansaço “entendível”. No primeiro dia que eu comecei a ter que esperar esse objetivo, já senti o impacto do cansaço em minha vida. Na minha mente, no meu corpo, em minha pele, minha produtividade.

Mas pera aí, o que eu estava fazendo pra estar tão exausta? Eu não tinha corrido uma maratona. Muito menos trabalhado 24h seguidas tomando energético. Nem mesmo tinha feito uma faxina daquelas que te deixam pingando de suor e com uma fadiga absurda - se tiver calor então? Pior ainda. Eu não tinha feito esforço físico algum. Até andava mais quieta que de costume. Mas, ainda sim, eu estava esperando algo. E esperar cansa. 

+ O perigo da selfie na autoestima de uma vida inteira

Podemos acrescentar aqui a frustração que a espera traz, e como ela intensifica ainda mais o cansaço. Como é ruim a gente achar que finalmente deu o tempo da espera, e perceber que não, ainda tem muito tempo pela frente? Can-sa-ti-vo. Daí você volta pra estaca zero, e lá vai todo o esforço de esperar pacientemente. Cansei só de pensar nisso.

espera
Foto: Ihor Malytskyi/ Unsplash

Voltando lá pra trás, quando eu tinha nove anos e estava na minha septuagésima viagem de carro à Recife. Minha mãe sempre foi a mais estressada do carro quando o assunto era lidar comigo e com meu irmão mais novo. Nesse dia em especial, ela estava mais tranquila. A Carol de nove anos queria chegar logo no destino final, e fazia questão de falar sobre isso o tempo todo. 

“Em que cidade estamos?”

“Caruaru. Já está perto.”

Quando chegava em Caruaru era o momento que eu estava mais cansada de esperar. Era muito perto… mas ainda não era o ponto final. Minha cabeça doía, as pernas encolhidas já pediam pra se esticar… nesse dia, minha mãe olhou pra mim e falou:

“Oh, menina. Olha pra janela. Observe as nuvens, veja como elas fazem desenhos bonitos. Tá tocando Shakira, escuta a música e aproveita a vista. A gente já tá chegando, mas enquanto não chegamos, aproveita a viagem.”

+ #Vivasuapele Carolinne Macedo contra a gordofobia

Com nove anos eu não consegui associar isso a nenhum momento poético. No máximo, me ajudou a esperar os quilômetros entre Caruaru e Recife. Mas hoje, essa frase me traz conforto. 

“A gente já tá chegando, mas enquanto não chegamos, aproveite a viagem”. 

o cansaço
Foto: Instagram @carolfigueiredd

É cansativo esperar. Esperar na fila do banco, esperar uma vacina chegar e vivermos em um mundo tecnicamente “saudável”, esperar um coração partido sarar. Tudo isso cansa muito, e isso mexe com nossa mente e nosso físico de um jeito, né? O pior é que, de fato, não tem como: precisamos ter paciência

O conselho que minha mãe me deu 12 anos atrás me traz aqui hoje pra te dizer que a única forma de descansar do cansaço da espera é aproveitar o processo. 

+ #vivasuapele Fernanda Xavier do Louca por Beauté

Parece banal, mas é o que temos. Enquanto fazemos isso, mudamos o nosso foco e começamos a reparar em coisas que só estão acontecendo por conta desse momento de espera, nossa mente relaxa - consequentemente nosso corpo e nossa disposição também. Reparar naquela nuvem no céu que tem formato de ovelha, olhar pra o sorriso da pessoa na sua frente na fila do banco, usar a saudade para escrever poesia enquanto espera um coração partido sarar… aproveitar o processo. É o que podemos fazer enquanto o tempo passa. 

Tem coisa que a gente só vive enquanto está esperando. Pra te dar um acalanto caso você esteja exausto de tanto esperar algo: se apegue ao processo e cada coisinha única e exclusiva que você vive e sente dentro dele. Quando você menos perceber… 

“Chegamos, Carol!” 

vamos conversar?

mais do blog

Turnê Sallve Bahia

Turnê Sallve Bahia

Alô, alô! A Turnê Sallve desembarcou na Bahia! A conversa contou com os nossos embaixadores Luciellen Assis e o Matheus Araponga e convidados
Saiba mais

buscar

sua sacola

  • Loading