Renovando as energias: ensinamento do budismo

O monge budista Tulku Thondup ensina que quando limpamos a casa, limpamos a nossa mente, meditamos, fortalecemos a concentração e esclarecemos problemas.

A cena não é difícil de se imaginar: você tem pouco tempo para se preparar na manhã e aquela calça que tanto queria vestir está no meio da pilha de roupas sobre aquela cadeira no canto do quarto. A pia da cozinha está cheia de louça pra lavar e o banheiro está um caos.

Isso já deve ter acontecido com cada um de nós. Mas o que não nos damos conta é de que esse ambiente desorganizado pode influenciar a nossa vida.

Limpar a casa é um exercício espiritual

Essa é a lição é do monge Tulku Thondup, que se define como professor de budismo, estudioso e escritor (ele já publicou 13 livros sobre o assunto).
Segundo o monge, limpar de maneira consciente o lugar que habitamos pode transformar a nossa vida.

Sabe aquela história de que a casa reflete o nosso estado? É exatamente isso. O que ele diz é que o simples gesto de limpar e organizar a casa nos permite a fazer ao mesmo tempo uma limpeza da mente. É um momento para meditar, fortalecer a concentração e esclarecer problemas. Dessa forma, se cresce espiritualmente.

Quando negligenciamos essa necessidade, a casa deixa de ser um abrigo para se tornar fonte de infelicidade e estresse.

Heather Ford / Unsplash

O nosso templo

Tulku Thondup publicou um texto sobre os méritos de limpar um templo e com um resuminho rápido podemos tirar grandes lições que podem ser colocadas em práticas hoje mesmo.

Quem não cuida dos objetos não cuida das pessoas

Cada objeto que temos dentro da nossa casa foi criado com o esforço do trabalho de outra pessoa. Ter cuidado ao limpá-lo demonstra respeito e gratidão por esse trabalho.

Passe para frente o que não usa mais

Quem já colocou em prática o método KonMarie, de Marie Kondo, conhece bem essa etapa. O monge, assim como a especialista em organização pessoal, ensina que devemos ser gratos pelas coisas que nos serviram por um tempo. Se não as usamos mais, podemos reciclar para que seja útil a outra pessoa.

No silêncio da manhã

O monge budista ensina que antes de dormir devemos meditar um pouco para começar a limpeza no dia seguinte. Segundo ele, o melhor horário para se colocar tudo em ordem é bem cedinho, quando "a casa" ainda dorme. Claramente não é o horário da grande faxina, mas o ideal para se manter a rotina da casa em ordem.

Ar puro

Antes de começar a limpeza matinal, abra as janelas da casa e deixar o ar circular. O monge explica que o ar puro nos dá força para limpar e também nos permite “entrar em contato com a fragilidade humana, a natureza e a força da vida”.

Pia limpa

A casa se organiza de manhã, mas a louça, ensina o monge, se lava antes de se dormir.
A lição de reciclagem se faz presente também. Quem mora em uma cidade com coleta de material orgânico pode separar tudo o que sobra dos alimentos. E quem tem jardim ou plantar, pode usa-los como composto. "Tudo em casa funciona como um ecossistema", ensina.

Foco na limpeza

O monge budista explica que no momento da limpeza devemos pensar na tarefa que estamos executando. Mantenha o foco e não deixe que a tua mente comece se concentre em outras coisas.

Dividindo o trabalho

A limpeza da casa não pode ser tarefa de só uma pessoa (no caso de quem vive com mais pessoas). Divida a tarefa com os outros membros da família ou com quem você divide a casa / apartamento. É dessa forma que aprendemos a valorizar o trabalho do outro e que entendemos de que dependemos uns dos outros.

vamos conversar?

buscar

sua sacola

  • Loading