Olheiras: entenda os tipos e o que pode agravar o escurecimento

Excesso do depósito de melanina e estrutura do rosto podem estar entre as causas das tão temidas marcas na região dos olhos

Sejam amarronzadas, avermelhadas ou azuladas, as olheiras são uma questão séria para quem as têm. Você até pode culpar o cansaço, a falta de sono, o estresse e a TPM por circular por aí com a região dos olhos escurecida, mas a verdade é que esses são apenas fatores que agravam a condição que você já tem.

As tão temidas e odiadas olheiras podem se formar em qualquer fase da vida, em homens e mulheres - e até crianças! -, em qualquer raça ou tom de pele. Porém, é importante ressaltar que são mais frequentes em peles morenas e negras, por um acúmulo de melanina na região dos olhos.

Na maioria dos casos, a grande culpada é a genética mesmo. Se você tem essa pré-disposição, vários fatores podem agravar a condição. Por isso, é necessário investigar e avaliar direitinho qual é o tipo das suas olheiras e aí, sim, fazer um tratamento mais efetivo com um dermatologista de confiança.

Crédito: Pexels/Daniel Xavier

Os quatro tipos

Olheira pigmentar: causada pelo excesso de depósito de melanina na pele. Geralmente, apresenta uma cor mais amarronzada. A causa dessa hiperpigmentação costuma estar associada a peles morenas e negras, principalmente, de algumas etnias específicas, como árabes, turcos ou indianos. Porém, é importante ressaltar, que esse excesso de pigmentação também pode ser residual, ligado a algum processo inflamatório, como uma alergia (rinite), por exemplo.

Olheira estrutural: Surge por conta da anatomia óssea do rosto. Pessoas que têm os olhos “fundos” acabam sofrendo com um efeito de escurecimento por conta da sombra provocada pelo desnível da região periocular.

Olheira vascular: causada pelo aumento da vascularização ou congestão dos vasos sanguíneos na região dos olhos. Podendo ou não apresentar também um inchaço. A coloração, em geral, tem tons azulados, arroxeados ou avermelhados, devido à coloração do pigmento sanguíneo.

Olheira mista: É bastante comum e acontece quando há uma soma de um ou mais tipos. Os subtipos são conhecidos como vasculares pigmentados, estruturais pigmentados, estruturais vasculares, além da possibilidade de ser uma combinação dos três.

O que agrava?

Como já dissemos acima, descobrir qual o seu tipo de olheiras é essencial para um tratamento mais efetivo. Porém, saiba que alguns fatores podem estar fazendo as suas ficarem ainda mais intensas do que normalmente seriam. Cansaço, falta de sono, choro:! Todos podem agravar a sua situação, porque estão ligados diretamente a circulação. Se você não dorme ou chora demais, você sofre com uma má-circulação temporária. E aí, já sabe: alô, olheiras! Tabagismo, tensão pré-menstrual, estresse, excesso de bebidas alcoólicas: tudo isso também acaba mexendo com a circulação sanguínea e favorece o aparecimento das nossas “amigas”. O excesso de exposição solar – oi, protetor! – também evidencia o escurecimento, pois diminui a espessura da pele e aumenta a concentração de melanina. Resultado? Olheiras ainda mais visíveis.

Créditos: Unsplash/Caju Gomes

A maquiagem por si só não causa olheiras, mas deixar de tirá-la da sua pele, sim! É uma questão temporária, mas se você não limpa o seu rosto, a pele não consegue receber o oxigênio necessário e fica desidratada, fazendo com que o escurecimento indesejado apareça.

Uma outra dica é pouco usual, mas ótima: não coçar os olhos! Quem tem pré-disposição genética a acumular melanina, pode acabar piorando a situação se esfregar a região, pois a fricção favorece esse acúmulo.

E o envelhecimento? Sim, ele é agravante. Com a diminuição natural da produção de colágeno no organismo, nossa pele tende a ficar mais flácida, podem formar aquelas olheiras mais inchadas.

Tratamentos

Há um bom número de tratamentos para quem quer se livrar das olheiras, que vão de agentes clareadores à intervenções cirúrgicas. A gente até sabe que já está repetitivo nessa história de procurar um médico especialista, mas nunca é demais lembrar, não é mesmo?!

Para cada tipo de olheira, há um tratamento específico. Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, aplicações com soluções à base de hidroquinona e alguns tipos de ácido (como o kójico e o azeláico) são efetivos para um clareamento da região, mas o resultado é temporário.

Créditos: Unsplash/Clem Onojeghuo

Aplicações com ácido hialurônico costumam ser indicadas para o tratamento de olheiras profundas, pois atuam no preenchimento da região. Quando o assunto é hiperpigmentação, sessões de luz pulsada são as mais indicadas. Há também cirurgias plásticas para quem quer corrigir olheiras que aparecem por questão estrutural e por depósitos de gordura abaixo dos olhos, por exemplo.

Cosméticos

Os produtos de skincare podem e devem ser usados para combater e até clarear as olheiras. Dependendo da sua composição, podem ter ingredientes que contribuem para ativar a circulação, uniformizar o tom da pele, combater radicais livres e estimular a produção de colágeno, por exemplo.

Para saber mais sobre este assunto, clique aqui para ler quais compostos não podem faltar quando o assunto é reduzir o escurecimento.

Dica amiga

Depois de noites mal dormidas ou longos períodos de estresse, uma dica bacana para quem quer uma solução rápida para as olheiras é fazer compressas calmantes com água termal ou chá de camomila, sempre geladas. Elas vão atuar como anti-inflamatório, reduzindo a constrição dos vasos sanguíneos da região.

Tem dúvidas, quer saber mais ou quer sugerir um tema? Fale com a Sallve. A gente adora trocar experiências!

Alguns estudos e referências usados para este texto

Periorbital Hyperpigmentation: A Comprehensive Review

Veja o que são, como e por que se formam as incômodas olheiras

Escolha suas armas para combater ou disfarçar olheiras

What causes dark circles under the eyes?

An approach to dark circles under the eyes

Dark Circles Under the Eyes

Olheiras: causas e tratamentos

vamos conversar?