Uau! Frete grátis para todo Brasil 😱

Quais os melhores ingredientes para sardas, manchas e pintas?

O assunto é coisa séria e pode indicar problemas de saúde, portanto, atenção com o que a sua pele está querendo te dizer!

Sardas, manchas e pintas são muitas vezes desvalorizadas quando o assunto é saúde. E não deveriam! O que fazer nesses casos? Procurar um dermatologista, deve ser sempre a primeira opção!

Parece excesso de zelo ou alarmismo desnecessário, mas não é. A gente sabe que as sardas, por exemplo, estão na moda e tem gente por aí até fazendo charme com as pintinhas fake no rosto. Mas para quem convive com elas dia após dia, nem sempre é tão simples assim. Os cuidados são redobrados e a aceitação da própria pele nem sempre é tranquila. Por isso, vamos por partes!

Créditos: Pexels

Manchas e pintas

Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, se as manchas forem marrons, podem ser melanose (exposição solar), fitofotodermatose (causada pelo limão) ou melasma, por exemplo. Dessas, a mais famosa é a última e seu surgimento pode ocorrer por diversos motivos, como gravidez, o uso de pílula anticoncepcional e, claro, o sol. Não tem cura, mas tem controle. Dica amiga? Use protetor solar 50 FPS to-dos os dias e evite lugares quentes!

Manchas ou pintas pretas precisam de mais atenção, principalmente, se mudam de tamanho, cor ou forma. O ideal é procurar um especialista, já que podem indicar um melanoma, um dos tipos mais graves de câncer.

Já as brancas, podem ser leucodermia (sardas brancas), vitiligo (doença genética e autoimune), pitiríase ou pano branco (causado por um fungo e comum em peles oleosas). As roxas podem variar de simples hematomas a púrpura senil (as manchinhas dos idosos), enquanto as vermelhas podem ir de uma alergia até o lúpus. Ou seja, é bom procurar um dermatologista e saber exatamente o que está acontecendo com você!

Sardas

Também conhecidas como efélides, as sardas costumam surgir em peles claras ou ruivas. Ninguém nasce com elas, mas a partir dos dois ou três anos de vida, elas podem começar a aparecer. As pintinhas respondem ao estímulo da luz solar, por isso, vão se tornando visíveis e aparecendo em quem já as têm. São, em geral, benignas e não oferecem nenhum risco à saúde.

Créditos: Pixabay

Quem tem sardas, deve ter cuidado redobrado na hora de enfrentar o sol e caprichar no filtro solar, independente do clima. Essas pessoas apresentam um aumento no processo de formação da melanina, em regiões que são expostas ao sol com frequência, como rosto, colo e ombros. Assim, a pigmentação aumenta e causa as famosas manchinhas.

E quais ingredientes nos cosméticos podem ser benéficos?

Já procurou seu dermatologista? A gente já repetiu aqui algumas vezes que alterações na pele são assunto sério e não devem ser resolvidos sozinhos. Se você já consultou um médico, pode continuar essa leitura, tá?!

Há dois casos em que os cosméticos podem dar uma mãozinha para a pele: para quem sofre com melasma ou quer dar uma clareada nas sardas. Eis os seus aliados mais queridos:

Vitamina C: É um antioxidante, que ajuda a prevenir os danos causados pelo sol, além de ser fantástico no tratamento de pigmentação, restaurando os níveis de melanina, como aponta este estudo da Universidade de Oregon. É conhecido por ser um ótimo clareador.

Aloe Vera: Conta com um componente conhecido como Aloesin, que ajuda a reduzir a pigmentação da pele, sendo eficaz para sardas e melasma.

Ácido glicólico: Melhora a textura da pele, equilibra a oleosidade, minimiza manchas e diminui a acne. Funciona como um esfoliante mais agressivo, estimulando a formação de colágeno.

Crédito: Taylor Hernandez/Unsplash

Ácido azeláico: Eficaz nos danos causados pelos radicais livres, no clareamento de melasma e hiperpigmentação, sem os riscos associados à hidroquinona.

Arbutina: É uma hidroquinona glicolisada, que é extraída da planta Bearberry. Previne a formação de melanina, sendo usado para despigmentar manchas e sardas, como sugere um estudo liderado por profissionais da PUC - Campinas, UNIFESP e USP.

O que é Hidroquinona? Ela reduz a quantidade de melanina e clareia a pele. É ótima para tratamentos de hiperpigmentação. O problema aqui é que o composto oferece riscos para a saúde, podendo ser tóxico para o corpo, segundo a Safe Cosmetics, organização que reúne instituições que trabalham para pesquisar e alertar componentes químicos presentes nos cosméticos. O ideal é procurar uma outra opção como o ácido azeláico e arbutina.

Vale lembrar! Consultar um (a) dermatologista, é sempre a opção mais correta e saudável para cuidar da melhor forma possível da sua pele!

Alguns estudos e referências consultados para este texto

Créditos: Giphy

Melasma: O que é? - Sociedade Brasileira de Dermatologia

Cores e tipos de manchas na pele apontam para diferentes problemas

Cuidados diários com a pele

Sardas: charme ou perigo?

Vitamin C and Skin Health

Cosmeceuticals for Hyperpigmentation: What is Available?

Analysis of the Effects of Hydroquinone and Arbutin on the Differentiation of Melanocytes

Tem algum ingrediente que dá mais resultado na sua pele? Alguma dica, dúvida ou sugestão? Fale com a Sallve! A gente adora trocar experiências!

vamos conversar?