5 motivos para proteger sua pele dos danos da exposição solar

Não, não é só o envelhecimento precoce da sua pele ou queimaduras solares

Já conversamos por aqui que proteger a pele é mais do que se preocupar apenas com o sol. Já falamos também sobre os tantos benefícios do sol para a nossa saúde. São tantas as vezes que ele é a companhia perfeita, quando entra pela nossa sala anunciando a manhã, ou quebrando a jornada em frente ao computador no meio da tarde. Curtir o sol é parte essencial da nossa saúde mental também! A exposição prolongada às radiações solares sem proteção, porém, é responsável por uma série de danos à pele.

Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, estudos mostram que pelo menos 70% da radiação solar que recebemos durante a vida é adquirida no dia a dia, e somente 30% da radiação é obtida durante momentos de lazer.

+ Pele queimada x pele bronzeada: tem diferença?

Para proteger sua pele dos efeitos da radiação solar, basta seguir recomendações básicas de dermatologistas, ter bom senso em relação aos horários e o tempo em que você se expõe ao sol e, obviamente, aplicar e reaplicar protetor solar ao longo do dia. Todos os dias, até no inverno, nos dias chuvosos e nublados, e se for ficar dentro de casa também.

exposição solar prolongada

Sol e pele: só danos?

A gente precisa do sol, principalmente quando o assunto é a Vitamina D, tão importante para o nosso organismo. “A radiação solar é ao mesmo tempo necessária e danosa. O que vai diferenciar é o grau de exposição. Em pequenas quantidades e nos momentos adequados, a exposição solar tem efeitos benéficos como ativar a cascata de produção da vitamina D. Por outro lado, a exposição exagerada pode causar danos que vão desde queimaduras, vermelhidão, manchas e envelhecimento precoce a acne, queda da imunidade e câncer de pele”, explica.

+ Protetor Solar sem white cast: o que isso quer dizer?

5 danos da exposição solar prolongada

A luz do sol, especialmente os raios UVA e UVB, podem contribuir para:

  • Queimaduras: uma queimadura é uma lesão provocada pelo contato direto com uma fonte de calor ou frio. A queimadura causada pelo excesso de exposição ao sol é considerada térmica. "Temos sinais inflamatórios como vermelhidão, ardor e calor. A pele fica desidratada e sensível e, em muitos casos, temos a morte celular com descamação intensa nos dias seguintes”, aponta a Dra. Monalisa Nunes, dermatologista consultora da Sallve.
  • Manchas: já falamos muito sobre manchas aqui no blog. Elas se formam por conta de um desequilíbrio, não é algo natural da pele. Essa desregulação pode acontecer por vários fatores, sendo que o mais comum de todos é justamente a exposição solar. A formação de uma mancha vem de uma irritação do melanócito (células que produzem a melanina). Toda vez que o melanócito se sente ameaçado ou irritado - como por exposição solar excessiva -, temos como reflexo essa produção exacerbada de melanina, o que resulta em uma hiperpigmentação na pele.
  • Envelhecimento precoce: sim, o sol ajuda a envelhecer a pele de forma prematura. A radiação UV promove o aumento da produção de radicais livres. Bem, com isso há um aumento na degradação das fibras de colágeno e elastina, o que causa o aparecimento de sinais, linhas de expressão e flacidez.
  • Acne solar: é uma reação que pode aparecer no rosto, pescoço, ombros, tórax e costas alguns dias após a exposição intensiva ao sol. Segundo a SBD - Sociedade Brasileira de Dermatologia, a acne solar é provocada pela mistura da oleosidade aumentada da pele, sudorese, uso de filtro solar comedogênico e da própria radiação solar.
  • Câncer de pele: como você já deve imaginar, o câncer de pele é um dos danos que podem ser causados pela exposição prolongada ao sol, ao longo da vida. Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, ele é provocado pelo crescimento anormal e descontrolado das células que compõem a pele. A radiação UV é a principal responsável pelo desenvolvimento de tumores cutâneos. Vale lembrar também que muitos dos casos estão associados com a exposição excessiva ao sol, além do uso de câmaras de bronzeamento artificial.

Tem horário certo para se expor ao sol?

O ideal é não se expor ao sol de forma prolongada entre às 10h e 16h, mas como a incidência de radiação ultravioleta está cada vez mais agressiva em todo o mundo, a Dra. Monalisa ainda faz uma ponderação. “Esse é o horário recomendado na maioria das literaturas. Porém, considerando que em alguns locais do Brasil, a radiação solar é muito mais intensa vale a pena considerar o bom senso em exposição prolongadas mesmo em horários ditos como seguros”, explica.

+ Bingo! Onde será que você está esquecendo de passar filtro solar?

A recomendação principal é a aquela que você já conhece: usar protetor solar todos os dias (dentro e fora de casa), que proteja contra radiação UVA e UVB e tenha um fator de proteção solar (FPS) 30, no mínimo.

Apesar dos cuidados no Verão serem muito falados, os danos do sol podem acontecer em todas as estações, principalmente no Brasil. “No verão, o problema é maior, pois as pessoas andam mais descobertas, muitas estão de férias e a radiação é mais intensa”, afirma a Dra Monalisa.

exposição solar prolongada

O Protetor Solar da Sallve

O Protetor Solar da Sallve FPS 60 protege sua pele diariamente com acabamento hidratante e invisível na pele. Sua fórmula única oferece uma multi defesa: além da alta proteção contra UVA/UVB (com PPD 25,5), ele também protege sua pele contra os danos da luz azul e visível, infravermelho e poluição.

Com vitamina E e carnosina, ele tem ação antioxidante, que previne os sinais do tempo, e ação antiglicante, que ajuda a preservar o colágeno da sua pele. Não-comedogênico e sem álcool, ele deixa um toque macio combinado com o viço incrível, sem esfarelar.

Vale lembrar! Consultar um (a) dermatologista é sempre a opção mais correta e saudável para cuidar da melhor forma possível da sua pele! ;)

Tem alguma dica, dúvida ou sugestão? Fale com a Sallve. A gente adora trocar experiências!

vamos conversar?

mais do blog

buscar

sua sacola

  • Loading