No mundo da vitamina C, pura e derivadas

Reunimos tudo o que você precisa saber sobre vitamina C pura e derivada. Precisa ser pura para surtir efeito? Por que oxida tão rápido? Cola aqui!

Não é à toa que a vitamina C é um dos ativos mais amados do skincare. Poderoso antioxidante que auxilia na despigmentação e combate a presença de radicais livres que causam envelhecimento da pele, a vitamina C melhora a síntese de colágeno e previne a degradação da proteína. Quer mais? Na sua extensa lista de benefícios está a hidratação poderosa que resulta em um viço lindo na pele.

Aliada a outros ativos, a vitamina C se torna ainda mais poderosa: a combinação com o resveratrol potencializa a ação antioxidante - o ideal para peles fotodanificadas pela exposição solar ou luz azul - e rejuvenesce a pele com linhas finas e rugas ao melhorar a síntese de colágeno. Já sua combinação com a vitamina E resulta em mais colágeno de qualidade produzido na pele.

Quanto mais, melhor?

Então quer dizer que quanto maior a concentração de vitamina C em uma fórmula, melhor? Nem sempre. "Existem diversos cosméticos que contém em sua composição apenas vitamina C, e cada vez mais as formulações estão associando outros ingredientes para uma eficácia mais abrangente e melhores benefícios para a pele", explica nosso químico, Carlos Praes. "Mas às vezes usar produtos com um único ingrediente ativo em altas concentrações pode propiciar reações indesejáveis".

Se a sua pele não estiver habituada com o ativo ou com altas concentrações, o ideal é começar gradativamente para evitar efeitos como uma possível irritabilidade na pele e até acne, dando tempo para que sua pele se acostume com a vitamina C (e isso vale para qualquer ativo, tá?) em maiores concentrações.

As dosagens da vitamina C variam, nos cosméticos, entre 5% e 20%. As porcentagens têm explicação: a pele só consegue absorver concentrações até 20%. 

A chave? Equilíbrio, como você já leu no nosso post sobre vitamina C em peles acneicas.

Qual é a fórmula mais pura da vitamina C? 

O ácido l-ascórbico é a forma pura da vitamina C. Mas vale saber que é uma estrutura molecular que oxida facilmente, perdendo suas propriedades ao entrar em contato com água, luz e ar.

É aí que entram os derivados da vitamina C

Justamente porque a vitamina C é tão frágil e altamente solúvel em água, derivados dela foram criados para serem usados na indústria alimentícia e de cosméticos. Além do próprio ácido ascórbico, que é a fórmula mais básica da vitamina C, a gente te apresenta seus três derivados principais:

Ascorbyl palmitate: o mais comum derivado em cosméticos, ele é a fórmula lipossolúvel da vitamina C. Suas maiores vantagens? O ascorbyl palmitate não é irritante e tem alta estabilidade. Esta é a apresentação utilizada no nosso Antioxidante Hidratante e, além de tudo, é nanoencapsulada (o que a deixa ainda mais estável).

Magnesium Ascorbyl Phosphat: esta é a pedida para peles sensíveis e delicadas, mas que ainda assim querem usufruir do efeito estimulante da produção de colágeno da vitamina C.

Tetrasubstudies Lipophilies Ascorbates: esta é uma nova geração de derivados da vitamina C, muito estável e eficaz em estimular a síntese de colágeno.

"A indústria cosmética tem investido constantemente em pesquisas e inovações sobre ingredientes e a vitamina C tem sido um dos alvos na busca por ativos mais estáveis, seguros e eficazes", aponta Carlos Praes. Some a nanotecnologia como aliada nesse processo!

Alguns produtos mais recentes que contém derivados da vitamina C conseguem ser eficazes com concentrações mais baixas.

Então tem que ser vitamina C pura, puríssima ou não vai dar o mesmo efeito na pele? Claro que não. Os derivados - que também podem ser chamados de vitamina C - simplesmente ajudam a manter a estabilidade por mais tempo.

Qual é a importância de aumentar a estabilidade da vitamina C?

A oxidação da vitamina C aumenta a formação de radicais livres, que podem irritar, danificar ou até agravar o que você está querendo cuidar, causando reações alérgicas, micoses ou queimaduras. 

Como detectar se sua vitamina C oxidou

Se seu cosmético a base de vitamina C mudou de cor, isso significa que a vitamina C oxidou e perdeu sua potência. A vitamina C tem uma cor champagne, bege clara. Depois de um tempo de uso, se ela ficar muito amarelada ou amarronzada, pode ter oxidado.

Outro indício que denuncia a expiração do ativo é o cheiro. A substância tem um aroma quase inodoro, então se você sentir um cheiro azedo, rançoso, desconfie. Por isso mesmo, é importante um bom estabilizador que aumente esta durabilidade!

Como garantir a estabilidade da vitamina C em um cosmético?

Neste aspecto, a nanotecnologia é uma excelente aliada. Ela se refere à pequenas partículas (muito pequenas mesmo!) que contém princípios ativos capazes de penetrar nas camadas mais profundas da pele, como apontam artigos científicos. 

Além disso, a tecnologia pode ser revestida por um envoltório protetor, que é chamado de tecnologia nanoencapsulada e que protege os ativos da oxidação na pele, antes de penetrar nas camadas mais profundas do tecido.

Assim a vitamina C fica protegida em cápsula e vai agindo ao longo do dia. Outro ponto positivo desta tecnologia é que garante a estabilidade do ativo e de quebra é uma boa forma de ampliar a validade.

Como a Sallve usa a tecnologia de nanopartículas em seu Antioxidante Hidratante?

A Sallve usa nanocápsulas, lábil, que se degradam e são aceitas globalmente como seguras. Aprovadas para cosméticos, elas não penetram na corrente sanguínea por terem diâmetro maior do que o mínimo estipulado de 100nm. Sendo assim, é comum que marcas usem a faixa entre 250 e 380nm. Na Sallve, nossas nanopartículas tem entre 280 e 300nm e tudo é supervisionado por um profissional com mestrado em nanotecnologia.

Quer saber mais sobre vitamina C?

Ácido hialurônico e Vitamina C: a combinação que sua pele precisa
Vitamina C para o rosto: benefícios e tudo o que você precisa saber
Vitamina C e acne: dá match?

vamos conversar?