#Vivasuapele: Gabi do Carmo

Você adorou o que a Gabi do Carmo contou na nossa parada virtual em Pernambuco com a Turnê Sallve? Então vem, temos mais de Gabi! <3

Foi na parada virtual em Pernambuco da Turnê Sallve que a gente caiu de amores por Gabi do Carmo, "cantora, modelo e tudo o que pagarem pra fazerem com esse corpinho lindo em prol da arte". E que se auto define ainda como artista e blogueirinha de Águas Doces.

Foi no nosso encontro no estado que ela falou sobre a sabedoria da pele saudável e principalmente sobre o auto-conhecimento.

A minha realidade é a de toda menina preta, gordinha, porque a gente demorou a se reconhecer muito belo. A gente demorou a entender o que era a beleza. Eu fiz um ensaio fotográfico pra uma marca de beleza e eu saí no catálogo. E 'meu Deus', eu tô num catalogo de uma revista nacional. Tem noção pra uma mulher gorda, numa revista nacional, com a pele normal, com cabelinho curto, desse jeitinho, sem mudar nada? Isso a gente não tinha dez anos atrás. Então, nunca que uma menina como eu ia pensar em se cuidar. Porque ela ia dizer: ah, não tem pra mim.

Gabi do Carmo

As referências de Gabi do Carmo

A Gabi falou na Turnê Sallve também sobre a geração de hoje, que cresce com referências diferentes da nossa geração, que aprende a ver o belo fora da caixinha do tão batido "padrão de beleza" e da força enorme que isso tem. Então, nos vem a dúvida de quem eram as referências de Gabi na adolescência, fase tão delicada em que buscamos uma imagem.

"Eu tive um rolê louco de referências porque minha maior referência de beleza era minha mãe! Ela sempre foi cuidadosa e priorizou esse cuidado com o corpo, porém eu resisti de toda forma por achar que isso era pertencer ao padrão! Lembro que ela construiu meu referencial com bonecas, Barbies e desenhos que fossem próximo de mim (referências negras) mas quem realmente me inspirou em corpo foi Queen Latifah!", revelou.

A Gabi conta que quando viu os primeiros filmes de Queen Latifah, "senti beleza em ter um corpo gordo mas ainda não me sentia feliz com o cabelo crespo!"

+ 5 coisas que aprendi com minha transição capilar - por Luane Dias

"Esse momento chegou apenas na juventude, quando na universidade tive contato com o movimento negro e vi várias como eu e procurei caminhos de ser o que era sem sofrimento! Assim eu construi esse corpo gordo, saudável, crespo e negro de forma leve! Ainda tem dias que a gente tem nossas bads mas sigo uma corrente de inspiração que tanto me alimenta como me faz querer alimentar", contou a Gabi, que hoje é referência.

+ #Vivasuapele Layla Brigido: aprendendo a se amar mais


Para a Gabi, o auto-conhecimento, a sabedoria de como é/funciona o corpo. faz parte de um processo, que, como ela explica, "se resume em ver meu corpo como templo. Minha relação de fé foi oficial para um olhar de amor sobre mim e me ajudar nos processos de racismo e gordofobia! Minha mãe também foi agente de transformação quando sempre me permitiu fazer e ser como eu queria, ela ia para Caruaru comprar roupas jovens e do meu tamanho, pagou meu primeiro curso de maquiagem, topava todas as minhas invenções para cuidar de uma pele acneica e oleosa como a minha sempre foi!"

Ela contou ainda o papel da música: "a relação com a música foi a ponte oficial da transformação, pois nesse universo meu corpo virou referência! Quando eu subo no palco e canto 'sou tudo que um dia eu sonhei pra mim' eu falo com a jovem, com aquela senhora de 50 anos e até com as pequenas como Yalodê (precisam ver ela cantando essa música) dizendo" 'tia, a sua beleza me inspira!' Essas pessoas que fizeram surgir a necessidade de também ocupar o digital como voz, de ir atrás das marcas para divulgar a quem precisa ter acesso a diferentes formas de cuidar do seu templo! Eu fico felizona por tantas alternativas baratas para aquela galera que só tem o Chinês da cidade para comprar seus produtinhos, mas eu quero ser caminho de acesso para ajudar ela a se enxergar usando uma marca divonica como a Sallve! Mostrar uma rotina fácil, um planejamento financeiro para uma skincare, tornar viável é o meu objetivo na blogueiragem". Agora me conta: não é de cair de amores por essa mulher?

O cuidado sagrado

Quando começamos a trocar as mensagens para essa conversa, a Gabi estava em um retiro, para uma pausa e contato com a natureza nesse momento de pandemia em que a reconexão com a terra nos faz tão bem.

Além desse contato com a natureza, a Gabi do Carmo faz também tratamentos alternativos, buscando o seu equilíbrio com a aromaterapia.

+ Aromaterapia pra começar bem o Ano Novo

"Eu amooo aromoterapia", inicia a Gabi, que estuda aromaterapia. E explica a sua ligação com a prática holística: "pois ela é uma junção de tudo que eu considero sagrado para o cuidado, a natureza! Eu sou super adepta nos meus rituais de beleza do uso de folhas e rosas e esse foi uma das primeiros investimentos! Eu fiz uma água de rosas super facilzinha, com três botões de rosas (podem ser variadas)+ 500 ml de água mineral + cinco gotas de óleo essencial de lavanda + um cristal (adoro usar a cristalterapia para esses cuidados estéticos, a sugestão é quartzo rosa, cristal branco e citrino) mistura tudo, deixa na luz do sol ou da lua por duas horas e conserva em local fresco!", ensina ela. Mas olha só: antes de tentar a receita, vale lembrar que é uma terapia alternativa holística e que o óleo essencial pode ser sensibilizante em algumas peles, principalmente para quem têm pele sensível ou rosácea.

Gostou da nossa conversa? Fique de olho aqui no blog: a nossa Turnê Sallve continua, apresentando tanta gente linda e interessante do nosso país.

vamos conversar?

mais do blog

buscar

sua sacola

  • Loading