peptídeo antioleosidade

Peptídeo antioleosidade: o que é e como controla a oleosidade da pele

O ativo auxilia na redução da oleosidade desde peles jovens até as mais maduras

Quem aí é do time das pessoas que sofre com a oleosidade excessiva na pele? Pois bem, chegou a hora de você conhecer um ativo pra lá de especial, que atua por uma via um pouco diferente do que a maioria dos ingredientes que você conhece para controlar a oleosidade. Conheça o peptídeo antioleosidade!

peptídeo antioleosidade

A pele oleosa

Antes de qualquer coisa, é bom a gente relembrar um pouco sobre o que caracteriza uma pele oleosa. A Sociedade Brasileira de Dermatologia descreve esse tipo de pele como de aspecto mais brilhante e espesso por conta da produção de sebo maior do que o normal - especialmente na zona T.

+ 9 dicas para cuidar da pele oleosa e que são simples de seguir

Por conta disso, a pele oleosa frequentemente tem poros dilatados e vem acompanhada de cravos e espinhas, mas atenção: a acne não é exclusividade desse tipo de pele - até peles secas podem desenvolver a doença.

A oleosidade em excesso que caracteriza a pele oleosa pode ter algumas causas, sendo a principal componentes genéticos. É a genética que define se uma pele tem glândulas sebáceas que produzem sebo demais, que tende a produzir mais queratina do que precisa entupindo os poros. Sendo assim, é essa predisposição genética que serve de base para que os fatores ambientais sejam mais agressivos nesse tipo de pele.

+ Como montar uma rotina de skincare para pele oleosa

A alteração nas taxas de hormônios também pode afetar a oleosidade da pele, assim como fatores externos como o meio ambiente (pense em altas temperaturas, clima úmido), medicamentos e uso excessivo de maquiagens e cosméticos. Uma pele oleosa também pode ser ainda resultado da combinação de alguns desses fatores.

Frequentemente, quem tem pele oleosa busca justamente produtos para auxiliar a controlar a oleosidade. Porém, controlar é completamente de extinguir completamente o sebo!

O sebo natural da pele é importantíssima para a sua saúde, afinal, ela compõe a barreira lipídica, que por sua vez vem a ser justamente o que protege sua pele das agressões externas e da desidratação. Se você tem uma barreira de óleo sobre a pele, a água fica "presa", sem conseguir atravessar essa barreira. É assim que ela se mantém hidratada. O segredo é o equilíbrio e não acabar de uma vez com a oleosidade natural da pele.

O que é o peptídeo antioleosidade?

Vamos relembrar que peptídeos são formados por uma cadeia de aminoácidos e fazem parte do nosso organismo, portanto, nosso corpo os reconhece quando aplicados na nossa pele e eles chegam exatamente aonde precisam para atuar em uma cascata de benefícios.

+ Efeito rebote: o que é, o que causa e como controlar

Eles podem ter diversas propriedades dependendo da ordem e combinação em que os aminoácidos estão dispostos para sua formação, como propriedades antioxidantes, cicatrizantes, renovadoras, uniformizadoras, entre muitas outras.

O peptídeo antioleosidade é um tripeptídeo que atua no receptor de melanocortina 5 (MC5R), um regulador da sebogênese (produção de sebo), e foi desenvolvido a partir de uma triagem in silico, ou seja, em uma simulação feita por um software em um computador.

+ Mapa das espinhas: o que a localização da sua acne pode dizer sobre ela

Mais de 300 mil moléculas eram candidatas para chegar na estrutura perfeita para que ele atuasse exatamente onde era necessário. "Para chegar neste peptideo, houve um estudo de forma in silico, utilizando modelos computacionais. Através dessa tecnologia identificaram qual combinação desses aminoácidos se encaixariam melhor no sitio ativo do receptor de melanocortina5. Após esse estudo, foram realizados os testes in vitro e in vivo para confirmar o resultado esperado, que foi satisfatório com resultados imediato e de longa duração", conta Renata Ribon de Melo, especialista de Pesquisa e Desenvolvimento da Sallve.

Como o peptídeo antioleosidade age?

Boa parte dos ativos cosméticos que contribuem para o controle de oleosidade da pele agem pelo meio tradicional de inibir a enzima 5α-redutase, uma enzima chave na produção de sebo.

Temos o hormônio testosterona, que com a ajuda da enzima 5α-redutase é convertido em um outro, a di-hidrotestoterona. Esse hormônio, conhecido pelo apelido DHT, é responsável por estimular a glândula sebácea e, consequentemente, a produção de sebo.

Nos tratamentos mais tradicionais, há justamente a inibição da enzima para que haja um controle da produção de sebo.

+ Acne: o que é, como tratar e quando procurar um médico

O peptídeo antioleosidade age por outra via. “Dentro da glândula sebácea temos receptores de melanocortina-5 (MCR5). Esse peptídeo vai atuar exatamente nesse receptor, se ligando a ele e não deixando que a melanocortina5 se ligue à nossa glândula sebácea. Isso é relevante porque há estudos que afirmam que o aumento da melanocortina-5 na nossa glândula sebácea ativa a glândula para produzir mais sebo na nossa pele. Então, temos uma via diferente do que a tradicional. Ele se liga nesse receptor e com isso diminui a oleosidade da pele”, explica a pesquisadora Renata.

Ah, mas ele é mais poderoso que o tratamento tradicional? Na verdade, é só uma via diferente. Por exemplo, quando há um aumento na produção de hormônios há muitas vezes um aumento na oleosidade da pele, como na puberdade. Nesse caso, por exemplo, a ação por meio da inibição de 5α-redutase faz todo sentido.

+ Acne da mulher adulta: quais são as causas e como tratar

“A pele oleosa tem outros fatores que levam a essa oleosidade excessiva, não só o aumento da produção de hormônio. A partir dos 35 anos já temos uma redução na produção do hormônio, então, será que só essa atuação na 5α-redutase é eficaz? O que é legal do peptídeo antioleosidade é que ele atua ali na glândula, mas na etapa final da produção. É muito legal para quem já passou da puberdade e ainda sofre muito com o excesso de oleosidade”, afirma nossa pesquisadora.

Quais os benefícios do peptídeo antioleosidade?

  • Controla a oleosidade: por meio do bloqueio do receptor de MC5R, atua no balanço da oleosidade da pele, sendo ideal desde peles oleosas jovens às maduras. Em teste realizado via Sebumeter, com participantes de pesquisa usando 1% de peptídeo antioleosidade, com aplicação duas vezes ao dia, ficou comprovado que o ativo reduz a produção de sebo em 30% após 14 dias;
  • Tem efeito imediato na redução de oleosidade: Em teste realizado via Sebumeter, com participantes de pesquisa usando 1% de peptídeo antioleosidade, com aplicação duas vezes ao dia, ficou comprovado que o ativo reduz 15% da oleosidade da pele em apenas 4h;
  • Minimiza aparência dos poros: a oleosidade é uma das principais causas dos poros dilatados. A combinação desse excesso de produção de sebo com o acúmulo de células mortas que acaba ficando depositada ao redor dos poros faz com que sua aparência fique ainda maior. Se o peptídeo atua no controle da oleosidade da pele, ele automaticamente ajuda a minimizar poros dilatados.

Super Ácido Glicólico 10%

Um poderoso sérum antioleosidade, formulado especialmente para as necessidades da pele oleosa. Combina a máxima concentração permitida de ácido glicólico (10%) a um tecnológico peptídeo, que age diretamente na causa raiz da oleosidade. Sua fórmula conta ainda com a niacinamida 5% e o gentil ácido lactobiônico para uma ação ainda mais completa.

Assim, controla a produção de sebo excessiva e reduz a oleosidade da pele ao longo do tempo, além de minimizar a aparência de poros dilatados e contribuir para uniformizar a textura geral da pele. Um tratamento antioleosidade que pode ser usado 1x ao dia, na rotina noturna.

E aí, que tal incluir o Super Ácido Glicólico 10% na sua rotina avançada de cuidados com a pele?

Voltar para o blog