Por que é tão importante conhecermos nosso tipo de pele

Entenda porque conhecer seu tipo de pele é o primeiro passo para ter uma relação sem (tantos) sustos e problemas.

 Foto: Eloise Ambursley

Você pode saber absolutamente tudo sobre skincare, estar por dentro de cada substância ativa e ter acesso aos melhores produtos do mercado. Nada disso adianta, porém, sem algo muito básico: 

Assim mesmo, dentro de um arco-íris brilhante do Bob Esponja, porque conhecer seu tipo de pele é bem isso: essencial! Transformador!

É o seu tipo de pele que vai determinar como você vai cuidar dela ao longo de toda a sua vida, o que você pode passar ou não, os ativos que funcionam melhor... Seu tipo de pele determina até a maquiagem que você vai usar. Quem é que nunca se viu perguntando a clássica e eterna dúvida: "Essa base é boa para pele oleosa?"

Não conhecer seu tipo de pele é desastroso: se ela for seca e você passar algo para peles oleosas, pode ter um quadro de sensibilidade na pele. Se tiver a pele oleosa e usar um produto para pele seca, pode esperar: cravos e espinhas vão bater na sua porta em tempo recorde, trazendo inflamações nada bem-vindas.

Então, vamos lá, antes de mais nada, o básico: existem quatro tipos de pele. São elas: normal, seca, oleosa e mista. Cada uma tem características que ajudam a identificá-las - nada, porém, substitui um dermatologista para fazer este diagnóstico, viu?

Pele normal

Essa é aquela pele de textura aveludada, boa circulação sanguínea, poros bem fininhos, sem mancha, sem propensão a sensibilidade. Ela não é nem seca demais ou oleosa em excesso. Cuidar dela é fácil: basicamente, basta você mantê-la limpa e hidratada na medida certa. Como sua pele retém a hidratação na medida certa, você simplesmente não quer mexer em time que está ganhando.

Pele seca

A pele seca também tem poros bem fininhos, o que é aquela maravilha, mas ao mesmo tempo é conhecida por ter uma tonalidade mais opaca, ter uma textura mais áspera e maior tendência a linhas finas, fissuras, descamação e vermelhidão. 

A pele seca tem como característica a dificuldade de reter água pela falta de fatores de hidratação naturais (como ureia, aminoácidos e ácido lático) e lipídios epidérmicos (como ceramidas, ácidos graxos e colesterol), por isso, o que você deve fazer é optar por produtos de ação delicada (isso inclui esfoliantes, hein?) que ajudem justamente neste processo, além de beber muita água

Muitas vezes esse quadro de pele seca vai te levar a um outro diagnóstico: o da pele sensível.

 Relembre os sete ingredientes que vão te ajudar a tratar a pele seca.

Pele oleosa:

Karma do que parecem ser TO-DAS as brasileiras, a pele oleosa é a que possivelmente todo mundo conhece melhor: tem poros dilatados, é mais grossa e parece estar sempre brilhando, pois produz mais sebo do que o normal. É ela que tem aquela tendência chatíssima a desenvolver quadros de acne e te dar de presente (de grego) algumas espinhas.

Aqui o perigo maior está em, ao invés de equilibrar a produção de sebo, eliminá-la por inteiro, o que causa o temido efeito rebote. A falta de hidratação por medo de maior oleosidade também é inimigo oficial, por isso tome cuidado: pele oleosa precisa ser hidratada sim!

As palavras de ouro para tratar a pele oleosa? Não comedogênico!

Pele mista:

É o clássico: oleosa com poros dilatados na zona T, em que ocasionalmente pode ter acne (e muitos cravinhos), enquanto nas bochechas e extremidades do rosto, ela é mais seca. Embora você ache que a pele oleosa é a mais frequente, é a mista que leva essa coroa. Ela é mais fina e, por isso mesmo, também tem aquela propensão a rugas e descamações.

Aqui, o equilíbrio é fundamental para que você não deixe a pele oleosa demais na zona T e seca demais em seu restante. Lembra que a gente já te ensinou a escolher os melhores ingredientes para tratar a pele mista?

O seu tipo de pele é determinado pela genética, mas há muitos outros fatores em jogo como hormônios, tratamentos, envelhecimento da pele, poluição, exposição excessiva ao sol... Por isso alguns cuidados são essenciais não importa qual seja seu tipo de pele: limpar sempre, evitar água quente, mantê-la hidratada e protegida dos raios solares.

É importante também ficar sempre atento às mudanças da sua pele: a pele oleosa pode sim ficar mais seca com o passar dos anos (muita gente que toma Roacutan pode falar sobre isso, é bem comum!), enquanto a pele seca pode evoluir para pele sensível ou até mista com o envelhecimento. 

Como nossa pele está sempre nos mandando sinais e conversando com a gente, manter esta ponte com seu dermatologista é fundamental. Afinal de contas, skincare passa longe de ser monólogo, né?

vamos conversar?

mais do blog

buscar

sua sacola

  • Loading