Turnê Sallve Sergipe

A Turnê Sallve desembarcou virtualmente em Sergipe para um papo de skincare, sol, acne, shelfie e ansiedade.

Depois da nossa última parada virtual da Turnê Sallve em Alagoas, continuamos no nordeste brasileiro e fomos nessa semana à Sergipe.

As embaixadoras desse encontro (que a gente promete, ainda vai acontecer presencial no futuro!) são a Jéssica Naiara e a Laysa Gabriellle.

A conversa contou ainda com um ótimo time do Sergipe: a Carolina Aragão, o Geraldo Moraes, o Lucas Santana e o Yuri Ribeiro.

A paixão por skincare no Sergipe

A jornada da pele da Jessica nasceu na pandemia, como taaanta gente no mundo inteiro. "Durante a minha adolescência a minha pele era normal, usava os cremes da minha mãe - ela odiava e eu adorava. Há uns dois anos eu comecei a trabalhar como influencer, usava muita maquiagem e não cuidava da pele. Não tinha o hábito de passar protetor solar todos os dias, lavava o rosto nem sempre com o sabonete específico. E o resultado: minha pele passou a oleosa, muito manchada e com acne. Me desesperei. Procurei um dermatologista, suavizei tudo e relaxei depois de um tempo. E ai veio a pandemia". E a gente já sabe bem como continua essa história, né? Com a famosa maskne, a acne da máscara cirúrgica.

+ Maskne e outras doenças de pele causadas pelo uso de máscaras

"Hoje sou uma skincare lover. Tô aprendendo ainda mas amando cuidar da pele. Passo protetor todos os dias e odeio dormir com maquiagem. Hoje estou na minha melhor fase com a minha pele.

Autoaceitação

A Laysa contou que a sua relação com o skincare começou muito cedo. "Comecei um processo que aqui no Nordeste a gente chama de se imperiquitar muito cedo a fim de tentar esconder algumas coisas de mim. Eu andava muito maquiada, muito cheia de coisa. E comecei a ter acne.
Acredito que o meu processo com o skincare começou com a aceitação mesmo, de entender que era normal as pessoas terem espinhas. E falando como uma mulher negra, tinha aquela questão do preconceito com a pele, do cabelo, da cor e era tudo junto e eu andava me sentindo como se fosse um pontinho distorcido de todo mundo. As pessoas falavam sempre muito do meu cabelo, era como se ele chegasse antes do que o que eu realmente sou. Passei por uns processos capilares bem complicados, o meu cabelo mofou e ai eu era a menina que o cabelo mofou e tava com a cara cheia de espinha. Quem é Laysa verdadeiramente? Quem eu realmente sou? Porque isso aqui é só uma capa e ela transcreve muito do que o que eu tenho por dentro. A minha alimentação, a forma como eu cuido da minha rotina. Eu comecei a entrar numa jornada de trabalho muito excessiva e não tinha muito tempo pra cuidar da pele. Entrei num processo de autoaceitação mesmo, de todos esses fatores. Comecei a cortar o meu cabelo e hoje em dia uso um protetor solar que dá uma cor. Hoje em dia eu prefiro investir mais em o que traz saúde pra minha pele".

Tava sentindo falta alguém da turma da argila aqui no Sergipe? Aqui está a Laysa! Ela também tem outra dica de cuidados caseiros: quando a pele está inflamada, usa aroeira, que é um anti-inflamatório natural.

+ Dermatologista indica receitas caseiras de cosméticos

A herança da pele em Sergipe

Carol Aragão contou que herdou a pele bem oleosa e acneica do seu pai, e com manchinhas por conta das espinhas que ela espremeu, "desde os 12 ou 13 anos mexendo no rosto" - e como a gente contou aqui no blog outro dia, além das manchas, esse é um dos motivos pelos quais aparecem as cicatrizes de acne.

A Carol sabe qual foi o momento em que apareceu a paixão pelo o skincare - tudo culpa da nossa ruiva Julia Petit, viu? Foi um vídeo com a Jana Rosa da Bonita de Pele "e eu fiquei: meu Deus do céu, eu quero tudo isso ai", contou em tom de brincadeira. Mas olha, ela não seguiu em tom de brincadeira viu? Desde então o skincare entrou pra valer na sua vida. "Acho que o que me faltava era essa constância, em não abandonar as coisas. Por exemplo, estou em um momento agora que a minha ansiedade está impedindo que eu cuide da minha pele no momento. Tem umas duas semanas que eu estou cheia de produtos novos, mas não consigo ter uma rotina, porque estou um pouco fora do eixo. Mas sei que ainda vou me sentir melhor comigo mesma. Pra ser sincera, já foi um aprendizado muito grande da minha adolescência pra agora: eu me aceito muito mais onde eu habito do que há um tempo atrás".

Bancada cheia de produto

Seja no Sergipe ou em qualquer outro ponto do globo: a gente sabe bem que ás vezes se empolga, compramos mais produtos do que nos serve e ai ficamos com uma bancada lotada, sem dar conta de usar tudo. E foi o que a Carol contou: que comprou uma série de produtos de skincare e que não tá dando conta de usar tudo. Como faz?
A dica da Julia Petit e da Carol Merino, do nosso time de comunicação, é a de usar um produto a cada dia. Assim, você não deixa produto parado e não sobrecarrega a pele. "Faz um calendariozinho pra ir gastando, porque ficar com produto abandonada dá muita pena", falou a Julia. "Tem que ver muito o que a sua pele gosta e adequar a sua rotina", aconselha a Carol.

"Eu sei que é difícil, porque até pra gente é difícil, esperar um produto acabar pra começar outro. Não ficar acumulando um monte de produto pra pele porque a gente vem de uma época em que a gente comprava maquiagem pra caramba e querer ter umas coisas diferentes de maquiagem é normal, mas produto de cuidado pra pele não adianta ter um monte de coisa, porque vai estragar ou, você vai misturar um monte de coisa ao mesmo tempo e não vai saber o que está funcionando ou o que deu ruim. Vê o que você já tem e monta uma agendinha pra ir gastando. E ai você vai pensando no futuro: quando acaba esse, começa com um novo. Até porque se você tem isso da ansiedade, é uma coisa que você não vai pensar, porque já tá organizado e fica meio automático, você só vai seguindo, senão, fica perdido no meio de tudo. E organização é um caminho sem volta, é tudo". Conselho bom da Julia, né?

+ A obsessão pela shelfie e o skincare ostentação nas redes sociais

Surto de acne

Geraldo, "minha história com a pele é complicada". Assim como a Carol, a pele oleosa do Geraldo também é de família. Ele sempre foi fiel ao sabonete para pele oleosa e apesar de alguns cravinhos, as espinhas eram esporádicas. "Esse ano foi muito chocante, aconteceu um boom de espinhas, o meu rosto estourou todo-todo-todo", enfatiza o arquiteto de Aracajú. O surto de acne foi muito forte: "ao ponto de eu nem conseguiu deitar no travesseiro. Eu tava com vergonha de sair de casa, foi uma coisa bem pesada. Não foi uma coisa gradativa", conta Geraldo, que durante o tratamento criou uma série de Stories do diário do Roacutan: "eu mostro como a minha pele estava muito castigada e como está hoje. Tenho muitas marcas ainda mas porque estou no quarto mês de tratamento e serão nove no total. Estou usando produtos recomendados pela minha dermatologista e estou vendo resultado. Não vou mentir pra vocês, é cansativo e tem que usar tudo certinho, porque cada coisa completa a outra. Estou super feliz com o tratamento, estou ficando com o rosto mais bonito, mais limpo".

O Yuri também passou por um surto de acne, mas não tão forte. "Amo praia, amo sol e é isso que me leva a cuidar da minha pele mais e mais. Durante a minha adolescência eu era um menino de aparelho e acne. Fiz um tratamento com um dermatologista, com o tempo as minhas acnes sumiram e eu relaxei. Durante a pandemia eu senti essa necessidade de skincare. E desde então eu tô cuidando e vendo muita diferença na pele. Minha pele é sempre muito oleosa, com poros muito difíceis de controlar".

O sonho da linha de skincare

A relação do Lucas com o skincare começou na infância: em família sempre vivi rodeado de mulheres e elas sempre gostaram de comprar de revista. E eu sempre pensei: eu quero! Eu era louco por ter espinha pra poder usar uma linha inteira antiacne que a prima usava", contou brincando.

+ Herança de família: o cuidado de geração em geração

"Eu cresci, a pele mudou, os poros abriram, minha pele é oleosa - hoje mais controlada porque eu cuido. Eu usava muito aqueles tônico adstringentes cheios de álcool, até sofri queimadura por causa deles e foi quando eu comecei a ir no dermatologista".

Uma de suas maiores dificuldades (e muitos aqui pode se juntar no coro - foi encontrar o protetor solar que desse certo na sua pele - e como a gente bem sabe, é uma etapa tão importante da rotina, ainda mais em um lugar quente e ensolarado como o Sergipe. "Eu tinha um sério problema com protetor solar, que me deixavam com uma máscara", conta que ou ficava branco, ou lilás ou meio acinzentado.

Há um tempo o Lucas começou a se informar sobre fórmulas, ingredientes e pesquisar mais sobre skincare. "Eu tava tomando um vinho e assistindo a live da Julia com a Jana (Rosa) no Domingão do Cremão, sai da live e falei: eu vou comprar tudo (da Sallve). Comprei, me apaixonei", contou o Lucas, que disse que o Esfoliante Enzimático acabou com o nariz moranguinho cheio de pontinhos.

+ Como o Esfoliante Enzimático ajuda no combate de cravos?

Ele se abriu com a gente também com um assunto delicado e contou que sofre de transtorno dismórfico corporal - "uma condição psicológica que se caracteriza pela preocupação, sem controle, com a aparência", explica a SBCP - SC. O lado bom é que a rotina diária de cuidados o ajuda: "é muito mais com o meu rosto do que com o meu corpo. O skincare me desviava o foco: não prestava mais atenção nos defeitos mas prestava atenção na melhoria. Então eu não deixo de fazer: todo dia, de manhã e de noite", contou.

Gostou da conversa? Fique de olho aqui: o blog te conta tudo da Turnê Sallve.

vamos conversar?

mais do blog

buscar

sua sacola

subtotal

Loading
Login efetuado com sucesso!